segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Sonic Boom - Kiss Renascido


Apesar de ser muito fã de Kiss e ter uma infinidade de material da banda aqui em casa entre DVDs e CDs, quando Gene Simmons falou que o novo album do Kiss seria "O melhor álbum em trinta anos, uma mistura de Rock And Roll Over com Love Gun", que Sonic Boom era o Kiss renascido, sem baladas, teclados, sintetizadores ou garotas fazendo backing vocals, achei que era mais um marketing do linguarudo. Me enganei bonito. Não é tudo que ele pregou mas é QUASE tudo.

Somente o tempo irá dizer se o album realmente será um clássico ou não (aposto no SIM), mas depois de ouvir algumas vezes o CD , posso afirmar que é um puro KISS, muitas vezes lembrando os albuns clássicos dos anos 70 sim. Talvez não seja "o melhor", mas é Hard Rock da melhor qualidade, gostoso de ser ouvido. E realmente não tem baladas. A banda toda está matando a pau.

O album abre com a excelente "Modern Day Delilah" e vai seguindo durante as 3 primeiras faixas no mesmo nível e no melhor estilo Rock N Roll anos 70, sempre com o velho revezamento de vocais entre Paul e Gene.

Eric Singer estréia nos vocais com “All For The Glory” e mandou muito bem. O guitarrista Tommy Thayer tb assumiu os microfones na faixa “When Lightning Strikes” e tb não decepcionou.

A faixa "I Am an Animal" é, na minha opinião, a que destoa e tem mais cara daquelas faixas mais pesadas dos anos 80. Fechando o CD temos a faixa “Say Yeah” que traz um refrão pra lá de pegajoso e candidata a Hit. 11 faixas de Rock N Roll competente!!!

Minhas faixas favoritas: "Modern Day Delilah", "Yes I know (Nobody's perfect)", "Stand", "Danger Us", "All For The Glory" e "Say Yeah"
Depois de 10 anos sem material inédito e do meia-boca "Psycho Circus", a banda com certeza voltou em grande estilo com "Sonic Boom". Pra mim, um Kiss nota 9,5 com louvor.

Vale lembrar que o album conta ainda com um CD intitulado de Kiss Klassics com 15 regravações de hits da banda e um DVD com 6 músicas do show realizado em Buenos Aires da tour Alive 35

Se é fã, dispensável dizer que é item obrigatório. Se não é fã mas curte um rock clássico, escute sem medo de ser feliz.


WWE Universe - World Wrestling Entertainment


A WWE (World Wrestling Entertainment) é uma empresa americana fundada em 5 de Maio de 2002, ao fim de 23 anos conhecida como World Wrestling Federation. É uma companhia pública na bolsa de valores e gera receita de milhões de doletas por ano.

A WWE produz semanalmente quatro programas de televisão que são um fenômeno nos Estados Unidos, Canadá, México e em alguns países da Europa.

Se vc nunca ouviu falar da WWE, tudo bem, afinal, seus programas não são exibidos no Brasil. Sabe pq? Pq a WWE é a maior promotora mundial existente de wrestling profissional.

É isso mesmo que vc está pensando...sabe aquelas lutas combinadas onde os lutadores interpretam os mais variados personagens, usam roupas coloridas e fazem movimentos acrobáticos? Isso é a WWE.


O fenômeno q é uma verdadeira religião na terra do Tio Sam não tem muitos seguidores no Brasil. O telecatch como era chamado por aqui, fez sucesso com cast nacional até os anos 70. A própria WWE foi exibida em terras tupiniquins pela extinta TV Manchete, isso em meados dos anos 80 com o nome de SuperCatch, mas logo caiu no esquecimento.

O SBT chegou a fechar um contrato com a WWE em 2007, trouxe 3 superstars (como são conhecidos os lutadores da WWE) para a promoção do show e exibiu alguns episodios, mas por problemas com a justiça brasileira, que decidiu que o programa só poderia ser exibido após as 20:00hs por conta das cenas de violência, o homem do baú, Senor Abravanel, achou por bem limar a atração da sua grade.

Questões culturais a parte, a WWE faz mais sucesso que eventos de MMA (Mixed Martial Arts - ou vale-tudo), bate recordes de audiência com seus 4 programas semanais (Raw, Smackdown, ECW e SuperStars) e possui 1 PPV mensal.

O cast de lutadores e divas (sim, as meninas tb lutam e a maioria delas são gatas, nada daquelas mulheres bombadas) são divididos pelos programas. Os 2 maiores brands são o RAW que é exibido as segundas e o SMACKDOWN, exibido as sextas. Cada um conta com cerca de 30 lutadores (8 protagonistas em média) , tem duração de 90 min e storyline próprios.

O ECW é um tipo de 2ª divisão , com metade do elenco e da duração. Normalmente é usado pra testar novos talentos. O Brand mais recente é o SuperStars que na verdade é um programa de apenas 30 min sem cast próprio pois mistura lutadores dos 3 brands com 2 ou 3 lutas por episodio.


Além das lutas, os shows tem como atrativo a participação de várias celebridades americanas (atores, músicos, etc) como apresentadores convidados (special guest host) e as famosas novelinhas (storylines) entre o elenco, que são o que norteiam os combates.

Normalmente cada storyline dura 2 ou 3 meses, dependendo da popularidade dos lutadores, e tem seu ápice em um dos PPVs mensais. Aliás, cada PPV tem duração de 3 horas e é onde rola as disputas pelos cinturões.

Atualmente os 2 Brands principais possuem 4 categorias de cinturão e o ECW apenas uma. O RAW tem o WWE Championship (Considerado o mais importante), United States Championship, World Tag Team Championship (Cinturão de Duplas) e Women Championship (Feminino).

Já o SMACKDOWN tem o World Heavyweight Championship (equivalente ao WWE Championship), Intercontinental Championship, WWE Tag Team Championship (Cinturão de Duplas) e Divas Championship (Feminino).






As lutas tem cada vez mais modalidades radicais tais como "Ladder Match" (o cinturão fica pendurado e os lutadores precisam escalar uma escada), "Steel Cage" (O ringue é cercado com grades de 3 metros de altura e o vencedor é aquele que sai primeiro), "Extreme Rules" (Vale cadeirada, mesadas e outros golpes sujos) e muitas outras.

Apesar de sabermos que é tudo marmelada, acidentes reais com os lutadores são comuns. O diferencial dos shows é que nem sempre conseguimos adivinhar o desfecho dos combates e as mais variadas surpresas costumam acontecer. E isso que, na minha visão, é o grande barato da WWE.


Para acompanhar e conhecer mais da WWE acesse: www.wwe.com



domingo, 29 de novembro de 2009

AC/DC - Matéria do Jornal da Globo


Bom, ainda estou frustrado pelo AC/DC não ter vindo ao Rio.

Não adianta me falar que eu poderia ter ido a SP. Realmente eu poderia, mas me recuso a ter que viajar pra assistir a um show de rock, principalmente morando em uma cidade que, apesar de menor que sampa, tb é considerada um grande centro. Sem contar que quando os promotores estão dispostos, trazem todos os grandes shows pra cá tb, vide Ozzy, Iron Maiden e Kiss (Fui em todos). Temos público para as bandas grandes sim.
Mas não vou ficar reclamando, foi escolha minha não ter ido assim como não irei no Metallica, ponto.

Como não posso fazer um review pra vcs, segue o link com a Matéria do Jornal da Globo falando sobre a apresentação da banda em São Paulo, 27 de novembro, e com alguns pequenos trechos do show.

Gostei da gravata verde e amarela usada pelo Angus no show!!

Para conferir, basta clicar AQUI.

Dave Mustaine - Sem problemas com o Metallica


David Glessner, do San Antonio Express-News, conversou no último dia 25 com Dave Mustaine, líder do Megadeth, que reclamou mais uma vez da falta de suporte da atual gravadora "Roadrunner". Não é pra menos, afinal de contas, o último album do Megadeth, "Endgame", é na minha humilde opinião, um dos melhores da carreira do cara.

Trechos da conversa vcs leem abaixo:

Sobre o novo álbum do Megadeth, "Endgame":
"Quando você tem um registro como o 'Endgame' e você olha para as vendas e elas simplesmente não estão lá, você começa a levar para o lado pessoal. Tenho que te dizer, é muito frustrante a maneira como as coisas tem sido conduzidas na indústria da música nos últimos anos. Lembro-me quando as pessoas diziam algo e em seguida, mantinham sua palavra. Lembro-me quando as pessoas que trabalhavam no rádio sabiam a importância deste ofício".

Sobre o Megadeth ser creditado juntamente com Slayer, Anthrax e Metallica como tendo criado e aperfeiçoado o Thrash Metal:
"Olho para minha carreira e sei que o tenho realizado. Entre a minha carreira com o Megadeth e as canções que eu escrevi e vendi com o Metallica, já vendi mais de 60 milhões de discos em todo o mundo. Sou considerado um guitarrista top de linha, estou muito inspirado e este é um dos melhores períodos da minha vida".

Sobre sua estação de rádio na Internet, Rádio Megadeth, disponível em www.iheartradio.com:
"Estou neste momento com uma playlist que varia de 2.000 a 3.000 canções, e eu estou acrescentando coisas à medida que avançamos. Eu quero que o mundo saiba quem é bobagem que todo mundo continua dizendo que há um problema entre mim e o Metallica. Não há nenhum problema, e para provar isso, eu os coloquei em meu programa de rádio. Então, vamos ver quanto tempo este absurdo vai continuar. Vocês acreditam nessa porcaria, vão em frente e acreditem, mas nós estamos acima disto tudo".

O texto original vc confere AQUI.

sábado, 28 de novembro de 2009

Mr. Big - DVD Back To Budokan

Acredito que esse post não interessará só aqueles que gostam de Mr. Big ou de Hard Rock de qualidade mas tb todos que gostam de músicos virtuosos.

Pra quem nunca ouviu falar ou não lembra da banda, os caras ficaram famosos com as músicas "To Be With You" (aquela baladinha, sucesso no início dos anos 90) e "Wild World", cover de Cat Stevens.

Assisti ontem ao DVD "Back To Budokan" do show realizado no dia 20 de Junho deste ano no Budokan Theatre em Tokyo, durante a turnê que comemora os vinte anos de carreira do MB, intitulada "Next Time Around" e o DVD é simplesmente sensacional. A química da banda continua intacta, o repertório recheado de clássicos e a produção é impecável.





Na guitarra , esbanjando técnica e bom humor, o magistral Paul Gilbert , que toca desde os 7 anos de idade e em 1986 formou o Racer X com alguns amigos onde ficou até 1988, antes de formar o Mr. Big.

Paul ganhou uma guitarra e um amplificador de brinquedo de presente dos pais quando tinha somente 5 anos e pouco depois começou a ouvir grandes bandas de hard rock como Led Zeppelin, Aerosmith e Kiss.

Mais tarde, dois grandes shows tiveram um forte impacto em sua decisão de ser músico: Van Halen e Ozzy Osbourne, com Randy Rhoads nas guitarras. O guitarrista tem um ótimo senso de humor e costuma usar isso em sua carreira nas fotos com roupas e guitarras extravagantes.


No baixo, o não menos habilidoso e bem humorado, Billy Sheehan, amplamente reconhecido como um dos maiores baixistas de rock da história.

Só pra ter uma idéia do talento do cara, Billy foi eleito pelos leitores da revista Guitar Player como "melhor baixista" por nada menos que 5 vezes. A mesma revista fez um paralelo entre seus solos no baixo e os de Eddie Van Halen na guitarra.

O repertório de Billy no baixo inclui o uso de acordes, tapping com as duas mãos, controle do feedback e sofisticadas estruturas harmônicas.

Além desses dois animais, a banda conta com o competente vocalista, Eric Martin e o excelente batera, Pat Torpey.



Se vc, leitor, gosta de música bem tocada e ainda não conhece a banda, não perca tempo e dê uma conferida que não vai ter arrependimento. Separei 2 videos com a baladinha clássica 'To Be With You' e 'The Whole World is Gonna Know', onde os músicos humilham.





O set list é animal. Pra quem curte músicos técnicos e Hard Rock de primeira linha, é um DVD imperdível!!!!

"Back To Budokan" - versão em DVD duplo

Disc 1 (121 minutos):

Ao vivo em Budokan, Tóquio, 20 de Junho de 2009

01. Daddy, Brother, Lover, Little Boy (The Electric Drill Song)
02. Take Cover
03. Green-Tinted Sixties Mind
04. Alive and Kickin'
05. Next Time Around
06. Hold Your Head Up
07. Just Take My Heart
08. Temperamental
09. It's For You - Mars
10. Pat Torpey Drum Solo
11. Price You Gotta Pay
12. Stay Together
13. Wild World
14. Goin' Where The Wind Blows
15. Take a Walk
16. Paul Gilbert Guitar Solo
17. Paul Gilbert and Billy Sheehan Duo
18. Double Human Capo
19. The Whole World's Gonna Know
20. Promise Her The Moon
21. Rock & Roll Over
22. Billy Sheehan Bass Solo
23. Addicted To That Rush

Disc 2 (51 minutos)
Encores:

01. To Be With You
02. Colorado Bulldog
03. Smoke On The Water
04. I Love You Japan
05. Baba O'Riley
06. Shyboy

Bônus: Next Time Around (vídeo clipe)
Bônus ao vivo: Acústico ao vivo no Hard Rock Café Tokyo - Fevereiro de 2009

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Skid Row - Show Amanhã no Manifesto Bar, SP

Hoje tem AC/DC em Sampa e amanhã, após 13 anos , a banda norte americana, Skid Row, volta ao Brasil para única apresentação no Manisfeto Bar, tb em São Paulo. A banda faz turnê na américa do sul e já tocou no Peru, Colombia e Argentina, mesclando clássicos como "I Remember You", "18 & Life", "Youth Gone Wild", "Wasted Time", "In a Darkned Room", "Monkey Business" , "Slave to The Grind" com músicas dos últimos CDs "Thick is the Skin" e "Revolutions Per Minute".

É muito importante lembrar caso alguém não saiba que o Sebastian Bach, ícone da banda nos anos 90, não está na formação atual que conta com Johnny Solinger (vocal), Dave "Snake" Sabo e Scotti Hill (guitarras), Rachel Bolan (baixo) e Dave Gara (bateria).

Aliás, Bach não faz mais parte da banda desde 1996 quando foi substituido por Solinger. Esse aviso é fundamental para quem não tem notícias da banda e não está acompanhando mais os caras… Pra depois não chegar lá e ficar puto que o Sebastian não veio e ninguém avisou hehehe.

Tá certo que a banda vai ficar marcada mesmo com Bach nos vocais, mas Solinger, apesar de mais limitado e de um timbre diferente faz um bom trabalho. Confiram no video abaixo a música "Ghost". Vale a pena pois a música é bem legal.


Data: sábado, dia 28 de novembro
Abertura da casa: 18h
Local: Manifesto Bar
Endereço: Rua Iguatemi, 36, Itaim Bibi - São Paulo/SP
Fone: (11) 3168-9595
Convites: R$ 90 - à venda na loja Consulado do Rock (Galeria do Rock/SP) e no Manifesto Bar
Vendas online: http://www.ticketbrasil.com.br
Cartões: Visa, Mastercard e Dinners
Débito: Visa Electron, Maestro, Rede Shop
Censura: 16 anos
Convênio com Estacionamento (Rua Joaquim Floriano, 1137): R$ 12
Acesso a deficientes / ar condicionado

A banda apresentará no show as seguintes músicas: "Big Guns", "Get the Fuck Out", "Thick Is the Skin", "18 and Life", "Monkey Business", "Makin' A Mess", "Slave to the Grind", "I Remember You", "Psycho Love", "Sweet Little Sister", "Psycho Therapy", "New Generation", "Forever", "Ghost" e "Youth Gone Wild".


Johan Hex

O pistoleiro desfigurado dos quadrinhos, Johan Hex, vem aí e chega aos cinemas em agosto de 2010.

Hex é um ex-combatente sulista da Guerra Civil Norte-Americana, que quando criança foi vendido pelo próprio pai aos índios, que deformaram seu rosto.
Criado em 1972 por John Albano e Tony DeZuñiga, Hex perambula pelos Estados Unidos como um amargurado caçador de recompensas após o término da guerra colecionando inimigos e (poucos) aliados.

O filme estrelado pelo bom ator Josh Brolin, John Malkovich e Megan Fox é situado num período pós-guerra civil americana, e a missão de Johan Hex é impedir que um fazendeiro sulista, vivido por John Malkovich, forme um exército para tentar uma revanche dentro da guerra e tomar o poder antes possuído.

A direção é por conta de Jimmy Hayward e a estreia está prevista para o dia 6 de agosto de 2010. Mais um filme que tb promete arrebentar nas bilheterias. Sem contar que a presença da Megan Fox já vale uma conferida...



quinta-feira, 26 de novembro de 2009

O Lobisomem (The Wolfman)


Finalmente foi divulgado um poster do filme "O Lobisomem" (The Wolfman) que mostra a criatura de corpo inteiro e não só o rosto medonho. Clica na foto aí do lado pra ampliar.

Eu já postei aqui no blog antes mas pra quem ainda não viu os trailers da produção, é só clicar AQUI.

O filme é um remake do clássico de 1941 , que se passa na Inglaterra vitoriana e tem no elenco, Benício Del Toro, Hugo Weaving, Anthony Hopkins e Emily Blunt. Joe Johnston (Jurassic Park III, Mar de Fogo) está na direção.

O longa conta a história de Larry Talbot (Benicio Del Toro), que ao retornar ao castelo de seu pai (Hopkins) no País de Gales, é mordido por uma estranha criatura que o aflige com a maldição do Lobisomem.

O Lobisomem aterroriza nas telas em 12 de fevereiro de 2010. E eu aguardando com ansiedade...

Star Trek - A Fronteira Final



Star Trek fez sua estréia em 1966 com um elenco multiétnico, que obedecia o conceito de um futuro utópico, de paz e união mundial justamente em uma época conturbada pela segregação racial nos Estados Unidos, guerra do Vietnã, o medo vermelho do comunismo e da guerra nuclear.

A rede NBC repudiou o piloto “The Cage” (A Jaula), que apresentava uma mulher (Majel Barrett, que depois se tornou a Sra. Roddenberry) como a oficial segundo em comando da Enterprise. Segundo a emissora, a ideia era ridícula e ninguém jamais acreditaria nisso, nem em um programa de ficção-científica.



Muita coisa teve que ser mudada para Star Trek nascer como uma série. Todo o elenco do piloto caiu, com exceção de Leonard Nimoy (que permaneceu como Spock, mas ganhou sua fria lógica sem emoções) e Majel Barrett (que virou enfermeira) em um segundo piloto chamado “Where No Man Has Gone Before” (Onde Nenhum Homem Jamais Foi).

A NBC queria um elenco principal de homens brancos. Roddenberry não podia ganhar todas as batalhas, então deu o posto de segundo em comando a Spock, que era incialmente visto como um homem estranho de aparência satânica, mas acabou passando. Com esta jogada e com uma patente menor, Roddenberry não só conseguiu manter uma mulher na ponte de comando, mas conseguiu um feito inédito: uma mulher negra em um elenco principal, a oficial de comunicações Uhura (Nichelle Nichols).

A Spock e Uhura se juntaram o capitão James T. Kirk (William Shatner), o engenheiro-chefe Scotty (James Doohan), o timoneiro Hikaru Sulu (George Takei), que neste segundo piloto era médico. Os outros membros da tripulação clássica viriam depois. O Dr. Leonard “Magro” McCoy (DeForest Kelley) entraria para o grupo no início da série e o navegador Pavel Chekov (Walter Koenig) só na 2ª temporada.



A tripulação original. Da esquerda para a direita: Scotty, Spock, Kirk, McCoy, Uhura e Chekov.

Mas engana-se quem pensa que a série estourou logo no início. Ou no meio. Ou no final. Na verdade isso jamais aconteceu enquanto era produzida. Apesar de ter um público fiel entre jovens universitários, nunca atingiu índices satisfatórios de audiência.

Alguns atribuem isso ao pioneirismo antes de seu tempo, outros ao fato da série nunca ter tido chance no horário nobre da NBC. O fato é que Star Trek esteve em apuros desde sua concepção e durou apenas 3 temporadas.



Com o cancelamento em 1969, todos os envolvidos consideraram seus trabalhos feitos e encerrados. Não poderiam estar mais enganados.

Em vez de ser esquecida, a série seguiu justamente o caminho oposto. De alguma forma, suas reprises ficavam cada vez mais populares. E foi assim que uma geração inteira de fãs (re)descobriu Star Trek e o elevou ao status de cult.


Em 1979 estreava Star Trek: O Filme, com um orçamento de US$ 35 milhões. Mas a maior batalha não foi travada no espaço e sim nos estúdios da Paramount Pictures. A produção tinha todo o elenco original da série, um diretor vencedor de Oscar (Robert Wise) , colaboradores de peso como os mestres da ficção-científica Ray Bradbury e Isaac Asimov, só não tinha uma coisa: roteiro.

Mesmo sob essa imensa pressão, o roteiro funcionou e o filme foi um grande sucesso de bilheteria, chegando a quase US$ 140 milhões no mundo inteiro.

Após viver um sucesso fantasma por uma década, finalmente Star Trek estava de volta, maior e melhor. A ressurreição bem sucedida colocou Kirk, Spock, McCoy, Sulu, Chekov, Uhura e Scotty no auge por 6 filmes no total, encerrando sua épica jornada em grande estilo e na hora certa.



fonte: Jovem Nerd
Adaptado do texto de Alottoni, o Jovem Nerd

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Orianthi Panagaris


Depois que o o vídeo que mostra Michael Jackson no último ensaio antes de sua morte foi exibido exaustivamente pelo mundo , ela começou a chamar muita atenção tocando um solo nervoso na música "They don't care about us".

Seu nome é Orianthi Panagaris, ela tem 24 anos, nasceu em Adelaide, na Austrália, e toca guitarra desde os 6.

Os shows que faria ao lado de MJ já seriam suficiente pra elevar Orianthi a categoria de Guitar Hero mundial mas mesmo com a mega turnê 'This is it" cancelada , parece que ela já está conquistando o mundo.





Apesar da sua pouca idade, até mesmo o lendário guitarrista mexicano, Carlos Santana , já se declarou ídolo da moçoila. Isso logo após dividir o palco com ela, nos idos de 2003.

Como se não bastasse sua habilidade nas 6 cordas, a loura ainda canta e está lançando "Believe", seu primeiro CD solo pela Geffen Records que só pra variar ainda não tem previsão de lançamento por terras brasilis. Vai vendo.

Se interessou? Dá uma olhada nos videos mais abaixo...
Pra quem quiser acompanhar mais de Orianthi, ela mantém um canal no YouTube onde dá algumas lições de guitarra, tem sua página no Twitter e o próprio Web Site





HQs Imperdíveis - Parte 2

Continuando com a série HQs imperdíveis , seguem mais algumas edições que eu recomendo:


Odisséia Cósmica

Darkseid, o governante de Apokolips, é uma das forças mais poderosas de todo o universo. Mas quando surge uma ameaça que é grande demais até para os seus poderes, ele precisa recrutar alguns dos maiores heróis do nosso planeta para formar uma linha de frente contra o inimigo mais mortal de todos!

Agora, o impensável vai acontecer! Superman, Batman, Lanterna Verde, Caçador de Marte e Estelar terão de lutar ao lado de Darkseid!

De Jim Starlin e Mike Mignola.







Jornada nas Estrelas ( Star Trek ): Ano Quatro

Se você é fã de Star Trek, já adivinhou! Essa edição continua, em quadrinhos, as explorações da USS ENTERPRISE, exatamente de onde a lendária série de TV parou.
A missão original da nave estelar Enterprise deveria ter durado cinco anos, um para cada temporada na TV. Infelizmente para o capitão James Tiberius Kirk e sua tripulação, a “missão” chegou ao fim no terceiro ano – Data Estelar 5928.5 para ser exato.
Agora nós finalmente teremos a chance de acompanhar o quarto ano da série, contado através de seis histórias independentes, em páginas com quadrinhos no formato “widescreen”.





Liga da Justiça ( LJA ) & Vingadores – Edição Definitiva

Os campeões de dois universos. Dois dos mais importantes criadores dos quadrinhos. Uma aventura imperdível!!!!!

Vinte anos depois de seu anúncio, finalmente a mais esperada história de super-heróis de todos os tempos! De um lado, os maiores heróis da Terra - a Liga da Justiça; do outro, os poderosos Vingadores. Duas superequipes com um objetivo em comum: salvar a realidade da destruição total!

Minissérie de luxo em quatro edições, roteiro de Kurt Busiek e sensacional arte de George Pérez. Conheça os bastidores da produção, veja as ilustrações do projeto original e descubra muitos detalhes do trabalho que foi um marco na carreira de Kurt Busiek e George Pérez.

Uma edição à altura do maior encontro DC e Marvel que os fãs de quadrinhos já viram.



Biblioteca DC Vol. 01: Mulher Maravilha

Após Crise nas Infinitas Terras, George Pérez recebeu a missão de moldar a Princesa Amazona a seu próprio modo. É essa impressionante nova origem de Diana foi republica pela primeira vez no Brasil em formato americano e com diálogos integrais em uma superedição de luxo para colecionadores!

Seja uma testemunha daquela que é considerada até hoje como uma das melhores seqüências de aventuras já produzidas com a Mulher-Maravilha e descubra porque George Pérez é considerado o autor definitivo da princesa de Themyscira.






Batman: A Queda do Morcego

Todo homem tem um ponto de ruptura. Até mesmo o Batman.
Os maiores inimigos do Cavaleiro das Trevas fugiram do Asilo Arkham! Coringa, Amídala, Chapeleiro Louco, Hera Venenosa, Zsasz, Crocodilo, Vagalume, Charada, Ventríloquo e Espantalho estão livres. Batman precisa enfrentar a todos, um de cada vez, em um combate mortal.

Enquanto o herói de Gotham se desgasta em sua luta, alguém o espreita nas trevas... a maior ameaça de todas, um misterioso e gigantesco homem conhecido apenas como... Bane!

Esta edição apresenta a primeira parte da Saga Queda do Morcego.





Grandes Clássicos DC Nº 01: Os Novos Titãs Vol. I

Com uma narrativa ágil e instigante, as histórias de Marv Wolfman e George Pérez apresentavam uma interação formidável entre os personagens, dosando suspense e humor nas medidas certas, além de contar com uma arte impecável.

Para quem já leu estas edições, vale a pena rever as espetaculares batalhas dos Novos Titãs, agora em formato americano, em seqüências de ação de cair o queixo. A edição encadernada conta com as edições de 1 a 6 da série original "New Teen Titans".







Batman Ano Um

Batman: ano um começa com o retorno do jovem Bruce Wayne à sua cidade natal, após um longo período de viagens pela Europa e Ásia. Viagens estas que Wayne aproveitou para adquirir e aperfeiçoar todas as habilidades e conhecimentos necessários para seu objetivo: o combate ao crime. Exatamente no mesmo dia em que Wayne retorna a Gotham, o então tenente James Gordon chega à cidade, egresso de Chicago, para assumir um posto na força policial da cidade. Além de focar-se em Gordon e Batman/Wayne, Miller também mostra rapidamente a origem da Mulher-Gato, então uma prostituta que, inspirada pelos atos do Homem-Morcego, confecciona um uniforme para si, mas com o objetivo de se tornar uma criminosa.

Com arte de David Mazzucchelli e cores de Richmond Lewis, que dão um clima noir ao gibi, Batman: ano um não é tão revolucionária quanto Batman: o cavaleiro das trevas ou Batman: a piada mortal. Ela reconta a origem do mito do Batman, mantendo seus principais aspectos intactos, enquanto a atualiza para uma audiência mais moderna. Mesmo não sendo nenhuma revolução, Ano um ainda é uma das melhores histórias do personagem em todos os tempos e item essencial na coleção de qualquer fã do Homem-Morcego.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Thor - Novos nomes no elenco

Vamos voltar a falar no filme do Thor... bom, presumo eu que o leitor esteja ciente que a produção já está bombando e estréia em maio de 2011, certo? Se não está ciente ainda não tem problema. É só conferir meu primeiro post sobre o filme clicando AQUI e se interar de tudo que já foi divulgado até o momento. Pode ir lá que eu espero...

Foi lá? Beleza então. Vamos as novidades.

Em entrevista à MTV, Natalie Portman acabou revelando que a atriz Kat Dennings, de Nick e Norah - Uma Noite de Amor e Música é a mais nova contratada para o elenco de "Thor", produção da Paramount Pictures e Marvel Studios mas não revelou qual será seu papel no filme.
"Estou muito empolgada. Kat Dennings atuará comigo no filme, ela é uma grande amiga e uma ótima atriz, então estou ansiosa".

Também fazendo parte da lista de novas contratações, o ator britânico Idris Elba, (integrante da quinta temporada do seriado The Office) interpretará Heimdall, o guardião de Asgard, eternamente a postos na Ponte do Arco-Íris para evitar que intrusos invadam o reino.

Já os Três Guerreiros, personagens criados por Stan Lee como companheiros de aventuras do Poderoso Thor, serão vividos por Stuart Townsend (Liga Extraordinária) como Fandral, o Galante; Ray Stevenson (Punisher: War Zone) que viverá Volstagg, O Volumoso; e Tadanobu Asano (O Guerreiro Genghis Khan) que ficará com o papel de Hogun, o Severo.

As filmagens estão previstas para começarem no próximo ano e o lançamento do filme está previsto para Maio de 2011.

24 de Novembro de 1991

Exatamente no dia 24 de Novembro de 1991 o mundo da música perdia 2 figuras lendárias. Eric Carr, baterista do Kiss, que morreu aos 41 anos de idade, em decorrência de um câncer no coração e nos pulmões e o vocalista do Queen, o carismático Freddie Mercury, que morreu aos 45 anos de idade, em decorrência da AIDS.

Eric Carr participou das audições para a escolha do novo baterista do Kiss em maio de 1980 , competindo com mais de 2.000 candidatos.
Sua intenção era se caracterizar como uma águia mas após uma tentativa fracassada , Eric encontrou na raposa, "The Fox" o seu personagem no universo do Kiss. Aliás, a escolha do personagem ficou mesmo a cargo do linguarudo Gene Simmons, que justificou a escolha dizendo que Eric era astuto como uma raposa.

Seu primeiro show com a banda foi no New York Palladium em 25 de Julho de 1980 e em 1981 o Kiss lançou o primeiro disco com Eric nas baquetas, "Music From The Elder". Também participou da fase "sem maquiagem" da banda, com os discos "Lick It Up" (1983), "Animalize" (1984), "Asylum" (1985), "Crazy Nights" (1987), "Smashes, Thrashes & Hits", onde cantou a faixa "Beth", maior sucesso na voz de seu antecessor Peter Criss (1988) e "Hot In The Shade" (1989).

Seu último show foi no Madison Square Garden em 9 de novembro de 1990. Em abril de 1991, durante a gravação do disco "Revenge", Eric descobriu que sofria de um tipo raro de câncer no coração e foi operado no mesmo mês. Entretanto, o câncer não regrediu, tomando o coração de Eric, que entrou em coma pouco antes de morrer, em 24 de novembro de 1991.






Freddie se bacharelou em artes e ainda na faculdade, conheceu o baixista Tim Staffell, que tocava em uma banda chamada Smile, que tinha Brian May como guitarrista e Roger Taylor como baterista, e levou Freddie para participar dos ensaios.
Em abril de 1970, Tim deixou o grupo e Freddie acabou assumindo o posto de vocalista da banda que passou a se chamar Queen.

Muitos dos sucessos da banda, como "Bohemian Rhapsody", "Somebody to Love", "Love Of My Life" e "We Are the Champions" foram compostos por Freddie que se tornou a imagem da banda com suas lendárias performances ao vivo. A vontade com que Freddie dominava as multidões e os seus improvisos vocais envolvendo o publico no show, tornaram as suas turnês num enorme sucesso,tanto na década de 70 mas principalmente nos anos 80 onde encheram estádios no mundo inteiro.

Em 1991 surgiam rumores que Mercury estava com AIDS, que se confirmaram em uma declaração feita pelo próprio em 23 de novembro, um dia antes de sua morte, na noite de 24 de novembro de 1991 em sua própria casa, chamada de Garden Lodge. Os membros remanescentes dos Queen fundaram uma associação de caridade em seu nome, a "The Mercury Phoenix Trust", e organizaram em 20 de abril de 1992, no Wembley Stadium, o concerto beneficente "The Freddie Mercury Tribute Concert" para homenagear o trabalho e a vida de Freddie.

Metallica X Megadeth

Eu sou fã de duas bandas que literalmente competiram musicalmente ao longo dos anos. Quem é fã de Metallica ou Megadeth certamente sabe da guerrinha que rolou (ou rola) durante muitos anos entre as 2 bandas. Pelo menos por parte do Dave Mustaine, líder do Megadeth, e tb por parte dos fãs de cada uma das bandas, que na maioria das vezes agem como se fizessem parte de exércitos inimigos.
Mas pra entender melhor o pq disso tudo, vamos voltar no tempo, mais precisamente nos primórdios da década de 80 e entender melhor essa história toda.

O segundo semestre de 1982 marcou as primeiras grandes brigas internas no Metallica, especialmente o duelo de egos entre o vocalista, James Hetfield e o então guitarrista solo da banda, Dave Mustaine. Para resumir a história: Mustaine passava por um sério problema com álcool e drogas, particularmente durante os shows, o que atrapalhava a performance de todos.

Para piorar, não eram raras as vezes em que os dois quebravam o pau em cima do palco mesmo, pois Mustaine não se contentava em ficar ao lado do guitarrista/vocalista; Ele queria os holofotes e abusava da paciência dos outros encaixando solos inexistentes e criando verdadeiros malabarismos para desviar a atenção do público (você consegue alguns exemplos disso em trechos do clássico vídeo Cliff´Em All). Lógico que todos na banda bebiam, mas sabiam controlar os seus limites, o que não acontecia com Dave.

Uma briga, em especial, ficou muito famosa: James, Lars Ulrich (baterista) e Ron McGovney (baixista da época) estavam em casa. Ron tomava um banho e Dave chegou bêbado com seu cachorro (descrito como uma máquina assassina). O cão resolveu passear e descobriu o carro de Ron na garagem com a porta aberta. Bom, digamos que o animal (me refiro ao cachorro) destruiu todo o estofamento do bólido.

Quando James viu a cena, imediatamente ordenou que Mustaine fosse embora com seu bichinho, sendo que o guitarrista não estava em seus melhores humores e virou um soco violento na cara de Hetfield, que também revidou e um quebra-pau generalizado começou até que Lars interveio e separou os dois.

Em outra ocasião, já bêbado e com certa raiva de McGovney, Mustaine decide aprontar uma "brincadeirinha." Enquanto o baixista não chega Mustaine despeja uma garrafa de vodka no baixo e no amplicador de Ron, no momento em que o baixista chega e vai plugar o instrumento "BUM", sai voando pela sala. Nisso Ron e James partem para cima de Mustaine, resultado? Hetfield e McGovney ao chão.

Johnny Zazula (ou Johnny Z como gosta de ser chamado), o proprietário de uma loja de discos chamada Rock´n´Roll Heaven, cansado de procurar em vão por uma boa proposta, tomou uma decisão drástica: pegou toda sua grana guardada com o lucro da loja, fundou sua própria gravadora - a Megaforce Records – e assinou com o Metallica como a primeira contratação.

Johnny conhecera o Metallica alguns meses antes, quando um cliente chegou em sua loja com o No Life ´Til Leather e o Live Metal Up Your Ass nas mãos pedindo para ele ouvir aquele som.

Após mais uma audição cuidadosa do No Life ´Til Leather e da nova Demo e certo de um bom negócio, Johnny concordou em mandar cerca de 1.500 dólares de adiantamento para James, Lars, Cliff Burton (que nessa altura do campeonato já havia substituido Ron nas 4 cordas), Dave e também o roadie, Mark Whittaker, para que eles alugassem um furgão, colocassem todo o equipamento dentro, enchessem o tanque e fossem para Nova Jersey.

Durante essa fadada viagem da banda da Bay Area até New York, a banda confinada dentro de um U-Haul (caminhonete americanas alugadas para mudanças) já estava escutando algumas demos de guitarristas.

Durante a viagem, Mustaine surta e diz que eles precisam parar pois havia caído ferrugem nos seus olhos. A banda nega a parada e Mustaine ataca Lars e cia. Resultado? Nova pancadaria.

A viagem durou mais ou menos uma semana com os integrantes se revezando no volante, mas quase se transformou em tragédia quando um Dave Mustaine bêbado bateu o carro em um Jipe. Por sorte ninguém se machucou, mas aquela foi a gota d´água entre Mustaine e os demais integrantes: a oportunidade da vida e o guitarrista quase jogou tudo fora por seus excessos.

Para que o investimento no novo ramo não resultasse em prejuízo, Johnny acompanhava atentamente cada show e ensaio da banda na Costa Leste e começou a se sentir desconfortável com a atitude de Dave Mustaine em relação aos demais. Mustaine estava sempre fora de controle, bêbado, drogado, displicente com as responsabilidades e prejudicava os shows de abertura do Venom.

A situação era insustentável, mas até hoje, nem Johnny, nem os integrantes do Metallica e nem o próprio Mustaine revelaram qual foi o grande estopim na história. A verdade é que assim que chegaram em Nova Jersey, os integrantes já queriam Dave fora pelo acidente que aconteceu na viagem.

O último show do Metallica com Dave Mustaine ocorreu no L´amours em Nova York em 9 de Abril de 1983 com o Venom e o Vandenberg. Pouco depois da apresentação, James, Lars e Cliff decidiram quem iria informar Mustaine que ele estava demitido.

Cliff acabara de entrar na banda, Lars temia a reação violenta do guitarrista, portanto sobrou para James Hetfield a comunicação do fato. Sem muita enrolação, James apenas disse que todos pensaram muito e as coisas não poderiam mais continuar da forma que estava. Dave estava fora.

O guitarrista, pra variar totalmente bêbado, demorou cerca de 10 minutos para arrumar suas coisas e foi colocado em um ônibus de volta para San Francisco. Reza a lenda que Mustaine passou a viagem inteira inconsciente após o último porre e só acordou (entenda-se “percebeu o que tinha acontecido”) em casa.

A saída de Dave Mustaine do Metallica é um dos capítulos mais polêmicos da história da banda e até hoje gera repercussão. Quem assistiu ao DVD Some Kind of Monster deve se lembrar da cena clássica em que o guitarrista discute com Lars Ulrich as conseqüências de sua saída e o quanto isso representou nas décadas seguintes.

Muito magoado, Dave formou o Megadeth em San Francisco alguns meses depois jurando que iria ofuscar o sucesso do seus ex-colegas e deu diversas entrevistas alfinetando James e Lars e ainda acusando Kirk de roubar indevidamente todos os seus solos naquelas primeiras músicas da banda.

A novela Metallica X Megadeth ainda gera muita polêmica e volta e meia, nos deparamos com declarações de Dave Mustaine, ora malhando a banda, ora pedindo desculpas e reconhecendo seus erros no passado.

Infelizmente parece que a ferida não cicatrizou ainda no Dave Mustaine mas de certa forma, o mundo do metal se beneficiou dessa briga , ganhando não só uma, e sim duas bandas da melhor qualidade.

Referências Bibliográficas:

BNR – Metal Pages. http://www.bnrmetal.com
Encyclopedia Metallica. http://www.encycmet.com
Metallica Official. http://www.metallica.com
PUTTERFORD, MARK. Metallica In Their Own Words. UK: Omnibus Press, 2000
RUSSELL, XAVIER. The Definitive Metallica. UK: Omnibus Press, 1992
McIVER, JOEL. Justice for All: The Truth About Metallica. USA: Omnibus Press, 2004
fonte: whiplash

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

AC/DC - Dicas das Músicas e Guia Completo do Show

Bom galera, o dia D está chegando...

Os australianos do AC/DC tocam no próximo dia 27, em São Paulo.
Mesmo eu estando chateado dos caras não tocarem por aqui, vou dar a dica do que escutar essa semana relacionado a banda pra chegar afiado no show.

A banda não costuma improvisar e já tem um set pré-definido, alterando uma ou duas músicas apenas. Assim sendo, vamos separar faixa a faixa o que escutar de cada CD em ordem cronológica inversa.


Começando pelo último lançamento e título da atual tour, o album Black Ice. Escute:






Black Ice
Rock N Roll Train
War Machine
Anything Goes
Big Jack







Já do album de 1990, The Razor's Edge:

Thunderstruck









De 1981, do album homônimo:

For Those About To Rock (We Salute You)










Do fantástico Back In Black de 1980:

You Shook Me All Night Long
Shoot To Thrill
Hells Bells
Back In Black






Do clássico de 1979, Highway To Hell:

Shot Down In Flames
Highway To Hell








De volta a 1977, Let There Be Rock:

Whole Lotta Rosie
Dog Eat Dog
Hell Ain't A Bad Place To Be
Let There Be Rock






E pra fechar, dos albuns High Voltage e Dirty Deeds Done Dirt Cheap, ambos de 1976:

T.N.T.
The Jack
Dirty Deeds Done Dirt Cheap






É isso, pessoal. Com esses CDs em mãos vcs escutam certinho o set list que será executado. Agora pra entrar no clima mesmo, não tem mal nenhum escutar os Cds completos.
Espero ter ajudado a todos que estarão lá pois só me resta ficar ouvindo os CDs pra amenizar a frustração.

O site AC/DC Brasil disponibilizou um guia para quem vai ao show no Morumbi contendo todo tipo de informação útil. Pra conferir o guia completo é só clicar AQUI.

Abaixo o provável setlist:

01. Rock N Roll Train
02. Hell Ain't A Bad Place To Be
03. Back In Black
04. Big Jack
05. Dirty Deeds Done Dirt Cheap
06. Shot Down In Flames
07. Thunderstruck
08. Black Ice
09. The Jack
10. Hells Bells
11. Shoot To Thrill
12. War Machine
13. Dog Eat Dog
14. Anything Goes (Não está mais no atual setlist das apresentações)
15. You Shook Me All Night Long
16. T.N.T.
17. Whole Lotta Rosie
18. Let There Be Rock
19. Highway To Hell
20. For Those About To Rock (We Salute You)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...