sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Feliz 2011

A cada dia de nossas vidas, aprendemos com nossos erros ou nossas vitórias mas o importante é saber que todos os dias vivemos algo novo. Que no ano que se inicia, possamos viver intensamente cada momento com muita paz e esperança, pois a vida é uma dádiva e cada instante é uma benção de Deus.

Feliz 2011

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Duff McKagan - Dependência Química nos anos 90


Pra quem pensa que está mandando bem fumando maconha, cheirando um pó ou fazendo uso de qualquer outro tipo de droga, aqui vai uma mensagem de fim de ano escrita pelo baixista do Velvet Revolver e ex-Guns N' Roses, Duff McKagan, que escreve uma coluna semanal para o jornal Seattle Weekly. Duff resumidamente relata seus problemas de dependência química nos anos 90.

"Durante um tempo, entre novembro de 1989 até 1993, eu cheirei meu peso em cocaína. Eu não recomendo a qualquer um de vocês jovens leitores que usem isso. NÃO foi um ato de pessoa inteligente, eu era apenas um viciado em drogas.

Lembro-me de dar glamour a todas as drogas e álcool naquela época. Eu era um artista, e achava que NECESSITAVA usar aquelas coisas, ou meu trabalho sofreria consequências. Antes que eu pudesse perceber, eu estava nervoso e estava em estado de pânico. Uma merda, eu tinha que usar.


Alguém me perguntou a um tempo atrás "O que você diz a seus filhos quando estão se preparando pra sair pra uma festa?" Algumas pessoas perguntam-me de uma forma rude quase, como se meus filhos viessem a ter problemas com drogas fosse um preço a pagar pelo o que eu fiz para mim mesmo no passado. Espero que eu tenha sido suficientemente idiota no meu tempo para ter terminado a cota de idiotice de minha família. Por Deus, assim espero."

Drugs Suck!!!

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Guns N Roses - A História da saída de Cada Membro


Surfando na rede, acabei encontrando essa matéria escrita pelo blog hardnrocker (os autores e fontes de pesquisa vcs conferem acessando o hardnrocker), sobre os motivos que levaram a saída de cada ex-integrante do Guns N' Roses.

Achei muito interessante e resolvi reproduzir aqui. Apenas dei uma revisada no texto original que estava com problemas sérios de pontuação, acentuação, concordância etc. e acrescentei pequenos trechos. De qualquer forma, foi um sensacional trabalho de pesquisa do
hardnrocker, que assim como me agradou, também deve agradar aos demais fãs da banda. Confiram:






Steven Adler

Imagem

Steven Adler enfrentava sérios problemas com drogas quando saiu do Guns e um dos episódios que mais caracterizaram esses problemas foi quando no Farm AID IV, em 1990, a banda só pode tocar duas músicas devido as péssimas condições de Adler, despedido da banda em Junho do mesmo ano, durante a gravação dos albuns Illusions, sob a alegação que seu contrato incluía uma cláusula que o demitiria se ele continuasse se drogando. Steven é conhecido pelos fãs como o cara que sempre pede o retorno da formação clássica do Guns.


Izzy Stradlin

Imagem

Os problemas de Izzy com a banda começaram logo em 89 durante a gravação dos Illusion, conforme revelou o próprio guitarrista. Em dois meses a banda gravou os instrumentais, porém os vocais demoraram um ano para ser gravado. Além disso, nesse período, a banda trocou Adler por Matt, o que desagradou Izzy, que tempos depois, revelaria que na sua visão, essa troca transformou o Guns em uma banda heavy metal. Além disso, durante a turnê dos Illusions, Axl Rose começou a comportar-se como uma prima donna e queria controlar os rumos da banda. Izzy irritou-se com os atrasos nos shows e outros problemas. Nesse período o guitarrista estava tentando largar as drogas e a vida em turnê tornava isso quase impossível. Izzy passou a viajar separado da banda na turnê de Use Your Illusion para manter-se sóbrio.

Irritado com o rumo que as coisas estavam tomando, Izzy decidiu deixar a banda em 1991. O último show de Izzy foi no VMA de 91. Anos depois Izzy revelou em uma entrevista o verdadeiro motivo de sua saída para a revista Hard Rock Magazine “Após a primeira parte da turnê Use Your Illusion, Axl queria me fazer assinar um contrato que me colocava um pouco de lado, o que significava menor pagamento. Eu não conseguia acreditar. Esse contrato partia de um cara com o qual eu cresci! Nós sempre levamos o Guns N' Roses como amigos e, grosseiramente, Axl disse para mim: "Agora se trata de negócios". Por que eu deveria continuar? Onde estava a diversão? Isso foi a gota d'água, mas fatos antecedentes também me fizeram decidir pela saída: durante nosso primeiro show em Londres, meninos morreram. O que foi aquilo? Isto que é rock 'n' roll? É divertir-se e depois ler nos jornais de um aeroporto que meninos morreram no seu show? É divertido tocar em estádios todas as noites e começar uma desordem em Saint Louis porque o cantor teve um ataque? Você realmente, em alguma dessas ocasiões, pontua consigo mesmo: "Nada disso é divertido mais." Axl não mais cumpria bem seu papel de líder da banda. E, por outro lado, os outros encontravam-se completamente chocados”

Apesar de tudo, em 2006, Izzy subiu novamente ao palco junto com o Guns N' Roses. Foi a primeira vez que Axl e Izzy apresentaram-se juntos em público desde 1993 (Izzy substituiu Gilby durante alguns shows em 1993). A primeira aparição de Izzy nos shows do Guns N' Roses aconteceu em Nova Iorque. Izzy voltou a tocar com a banda inúmeras vezes na Europa, em músicas como "Think About You", "Used to Love Her", "Patience", "Nightrain" e "Paradise City".



Gilby Clarke

Imagem

Gilby Clarke entrou no Guns em 1991 no lugar de Izzy e tocou com a banda a segunda metade da Use Your Illusion Tour e gravou com o Guns o album de covers The Spaghetti Incident. Clarke saiu da banda em 1993 porque, segundo ele, Rose não dava importância às suas músicas. Após não receber os direitos que ele dizia serem dele, Clarke processou a banda em 1995. Clarke disse que não queria ir aos tribunais mas decidiu fazê-lo porque ninguém no GN’R retornava as suas ligações. O GN’R processou ele também (leia-se Axl Rose) mas o assunto foi resolvido com um pagamento de quantia não revelada
em favor de Clarke. Apesar das desavenças, Gilby voltou a ter amizade com Rose, tanto que eles fizeram um dueto em 2000.


Slash

Imagem

Finalmente vamos falar da saída mais "conturbada". O único membro que até hoje não tem um relacionamento nem razoável com Mr Rose. A briga toda começou no início de 1995, quando Slash mostrou a Rose algumas músicas que poderiam ser utilizadas no novo álbum do Guns mas que não foram bem aceitas por Axl. Rejeitado, Slash pegou essas músicas e lançou um álbum com sua banda à parte, 'Slash's Snakepit'. Em 1996, Axl demitiu Gilby Clarke (que era amigo de Slash) sem avisar o Mago da Cartola e colocou na banda Paul Tobias. Slash não gostou da contratação do novo guitarrista, uma vez que Axl contratou Tobias sem ao menos consulta-lo.

A discórdia entre os dois chegou ao seu auge porque o rumo que Axl queria tomar para o próximo CD não ia de acordo com as idéias de Slash. Além disso, na gravação de "Sympathy For The Devil" (cover dos Rolling Stones), Axl Rose não gostou do Solo executado por Slash e pediu para que Tobias gravasse um outro solo por cima sem avisar Slash. É óbvio que Slash percebeu a crocodilagem e aumentou a crise na banda. Algum tempo depois, já cansado do estrelismo de Rose e o relacionamento ruim entre ele, Axl e Tobias, se demitiu da banda. Slash enviou um fax para MTV onde dizia que não fazia mais parte da banda. No noticiário da MTV cravaram: "O Guns N'Roses Acabou". Axl e Slash não conseguem se esquecer e vivem se processando. Foram inúmeros casos desde 1996, os mais famosos são os que Slash e ex-integrantes da banda, acusaram Axl de ter ficado com um percentual dos ingressos de direitos autorais da banda que correspondem a eles. No mais recente processo envolvendo os dois, Axl processa a Activision por usar a imagem de Slash tocando Welcome to the Jungle em Guitar Hero 3, alegando que Slash não pode ser associado ao GN'R. Sobre sua saída do Guns, Slash escreveu em sua biografia: "Considero minha saída do Guns uma das decisões mais inteligentes que já tomei. Não há dúvida de que, se eu tivesse continuado com a banda sob aquelas circustâncias, com certeza estaria morto a esta altura devido a muito dramalhão desnecessário."


Duff Mckagan

Imagem

Duff também era viciado em drogas e álcool, porém, ao contrário de outros membros, esse vício não o prejudicou tanto na banda, já que Duff ficou por 11 anos no GN’R. Duff escondido da imprensa e dos fãs, foi submetido a uma cirurgia de emergência no pâncreas, o que o obrigou a parar de vez com o consumo de álcool. Em 27 de Agosto de 1997, teve sua primeira filha, Grace, com Susan Holmes. O médico avisou que se o baixista bebesse uma dose de álcool, poderia morrer. O que aconteceu foi que Duff criou uma síndrome do pânico e estava com pavor de tocar para um número grande de pessoas, pois nunca havia começado um show sem antes beber algo, além disso, devido a saída de seus amigos, ele também
resolveu sair da banda, dizendo que após Slash ter saído, não tinha mais clima para tocar no Guns, e voltou para Seattle, onde montou um estúdio e voltou a tocar com o 'Ten Minute Warning', banda que ele havia participado antes da formação do Guns. Duff mantem um bom relacionamento com Axl Rose e durante a turnê “Chinese Democracy” tocou junto com o GN'R na O2 Arena em Londres.


Matt Sorum

Imagem

Sorum entrou no Guns 'N Roses no lugar de Steven Adler e gravou com a banda os albuns Use Your Illusion I e II (excluindo a faixa "Civil War"), The Spaghetti Incident? , de 1994, o single Sympathy for the Devil e a maioria das músicas do album Live Era: '87-'93. Matt Sorum foi demitido do Guns por Axl Rose e segundo o próprio, sua saída não foi nada amistosa. O baterista, atualmente limpo de drogas e com 44 anos, disse que recorda dessa noite de princípios de 1997 como se fosse hoje. Sorum lembra que chegou no estúdio Complex, em Santa Mônica, para escutar Axl falar com Paul Tobias, o guitarrista que entrou para substituir Gilby Clarke.

Quando cheguei, ouvi Tobias falando besteiras sobre Slash e o interrompi: 'Escuta aqui seu filho da puta do caralho, vou gostar muito que não diga nenhuma merda sobre o Slash, porque ele é meu amigo'. Então Axl me enfrentou. Eu disse: 'Vai tocar Sweet Child O' Mine com os acordes de Paul Tobias? Desculpa, mas não vai soar bem'. Axl me disse: 'Eu sou Guns N' Roses e não necessito de Slash, eu sou GN'R', e eu lhe disse: 'Quer Saber de uma coisa? NÃO, VOCÊ NÃO É! Esta discussão se estendeu por 20 minutos, então Axl finalmente me disse: 'Bem, então você vai renunciar ao seu cargo?' então eu lhe disse: 'NÃO, não vou renunciar merda nenhuma !!!' então ele me disse, 'Bem então está despedido'.

Paul Tobias me alcançou no estacionamento, e me disse, 'hey volte e desculpe-se!', e eu disse: 'Não dá, ele me despediu. Você se sente bem, tendo sido a causa da separação de uma das maiores bandas que já existiu?'. E fui para minha casa, fui para meu palácio rock star de 6 andares e 2 elevadores, e 1 mês depois recebi a carta dos advogados de Axl confirmando minha demissão.

Após seis anos Matt encontrou e fez as pazes com Rose em
uma festa em Chrome Hearts. "Depois que a festa terminou. Axl me deu uma carona até meu hotel na sua periferia."



Paul Tobias

Imagem

Paul Tobias entrou na banda em 1994 para ser um compositor junto com o Slash, porém no final das contas, foi um dos principais responsáveis pela saída dos membros remanescentes da formação original e de Matt Sorum. Axl sempre considerou Tobias um músico de estúdio. O primeiro show de Paul Tobias com o Guns N’ Roses foi em janeiro de 2001, no House Of Blues, em Las Vegas. Paul também tocou com o Guns N’ Roses no Rock In Rio 3, quando foi apresentado por Axl Rose como um dos principais responsáveis pela volta da banda e que sem ele, não haveria mais Guns N’ Roses. Tobias saiu da banda e
no lugar dele entrou Richard Fortus. Quando a banda lançou "Chinese Democracy" percebemos claramente que ele apenas deixou a banda no sentido de realizar as tours (Paul não gosta de tocar para grades públicos), porém gravou as guitarras, várias peças para piano e escreveu canções no album "Chinese Democracy" para a banda. Ou seja, tecnicamente ele permanece no Guns, mais não como integrante dos shows.



Robin Finck

Imagem

Robin entrou no Guns em 1997 por indicação de Matt Sorum, assinando um contrato de dois anos para trabalhar no disco Chinese Democracy. Ao fim do contrato, voltou ao Nine Inch Nails.
Finck retornou ao Guns no final de 2000, dividindo a guitarra-solo com Buckethead e tocando no Rock in Rio 2001.Finck permaneceu oito anos no Guns, participando de 118 shows, e rejeitando uma proposta de voltar para o Nine Inch Nails na turnê de With Teeth.
Em 2008, Finck voltou ao Nine Inch Nails, e participou das gravações do álbum The Slip. Em novembro do mesmo ano, Chinese Democracy foi lançado, com Finck tocando em todas as faixas, tendo sete solos, crédito como co-autor de "Better" (lançada como single), e créditos adicionais por teclados e arranjos. Em março de 2009, o Guns N' Roses anunciou DJ Ashba como substituto de Finck, mas declarou que o guitarrista continua a ser parte da banda por seu envolvimento em Chinese Democracy, ou seja, ele permanece no Guns oficialmente.



Bryan Mantia

Imagem

Bryan entrou no Guns por indicação do ex-guitarrista Buckethead tocou com a banda nos anos de 2001 até 2006 quando no mês de junho teve que se ausentar da banda para resolver problemas particulares e passar um tempo com sua família, já que sua esposa deu à luz uma menina, em 4 de julho de 2006. Desde então, não voltou a tocar com a banda mas gravou o album Chinese Democracy. Axl afirma que Mantia ainda é um membro do Guns N’Roses.


Buckethead

Imagem

Buckethead fez sua estréia na banda no ano de 2001, e tocou no Rock in Rio 3. Saiu em março de 2004 forçando o cancelamento do show no Rock in Rio Lisboa. Notícias da época afirmam que a saída dele da banda foi por conta do longo período sem tocar ao vivo e da demora para o lançamento do album Chinese Democracy, disco pelo qual ele contribuiu tocando guitarra em quase todas as faixas e ajudando na composição das músicas Shackler's Revenge, Scraped e Sorry. Buckethead tem um bom relacionamento com Rose mesmo após sua saída da banda. Em momentos da tour de Chinese Democracy, Axl já utilizou o famoso balde na cabeça em homenagem a Buckethead.

A empresa de refrigerantes, Dr Pepper, prometeu dar uma latinha de refrigerante para cada cidadão norte-americano caso o GUNS N’ ROSES lançasse o “Chinese Democracy” em 2008. Axl declarou na época que dividiria seu refrigerante com Buckethead caso o album fosse lançado.


fonte: hardnrocker

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Feliz Natal

Gostaria de desejar um Feliz Natal e Próspero Ano Novo para todos vocês que acompanham o Rodz Online, visitam, interagem ou que tive a oportunidade de compartilhar alguns momentos nesse ano de 2010, e desejo também que 2011 seja mais um ano com muitas conquistas e sucesso pra todos nós.

abçs

Rodz





quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Escultura em Tamanho Real com Batman e Superman

Um escultor italiano chamado Mauro Perucchetti resolveu polemizar e, inspirado no ícone dos últimos 500 anos, o afresco A Criação de Adão, de Michelangelo, pintado no teto da Capela Sistina, criou uma obra batizada de Modern Heroes. Até aí tudo bem né? O detalhe é que o moço resolveu esculpir dois ícones dos últimos 70 anos, os super-heróis da DC Comics, Batman e Superman.

Batman, representando o humano, está estiradão, na mesma posição de Adão, com o braço estendido e dedo em riste em direção a Deus. Já o bom e velho Kal-el está no papel de um Deus, imponente diante do morcegão, abrindo a camisa de Clark Kent e revelando o "S", indiferente ao pedido do humano.

Particularmente eu não curti e achei a pose um tanto quanto esquisita. Atualmente a obra está em exibição na Halcyon Gallery em Londres e fica em exposição até 8 de janeiro.

Modern Heroes


A Criação de Adão, de Michelangelo

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Top 10 Albuns de Rock do ano de 2010


É pessoal, o ano está acabando e chega a hora de fazermos um balanço de nossas vidas... e tb a listinha do melhor que a música pesada nos proporcionou em 2010!!! Eu sou chato, conservador, e não poderia deixar de citar alguns dinossauros, simplesmente por serem clássicos, caso do Megadeth, Ozzy e AC/DC, que aliás, acabou entrando na lista mesmo se tratando de uma coletânea. Aliás, uma bela coletânea, diga-se de passagem. Temos algumas coisas mais recentes também como o Alter Bridge, Stone Sour e o Avenged Sevenfold. Não vou resenhar um por um, foi apenas uma questão de gosto mesmo, mas concordem ou não, a lista vale como tema para debate ou uma mera indicação. Have Fun!!

10 - Accept - Blood of the Nations
9 - Ozzy - Scream
8 - AC/DC - Iron Man 2
7 - Alter Bridge - AB III
6 - Halford - Made of Metal
5 - Avenged Sevenfold - Nightmare
4 - Slash - Slash
3 - Motörhead - The World Is Yours
2 - Stone Sour - Audio Secrecy
1 - Megadeth - Rust In Peace Live





domingo, 19 de dezembro de 2010

The Smurfs - Teaser Trailer


Depois de anos na gaveta, em 2011 a Sony Pictures Animation vai finalmente levar as telonas o filme dos Smurfs, misturando live-action com computação gráfica. Pra quem não se lembra, os Smurfs são aqueles nanicos azuis, criados em 1958 pelo cartunista belga Pierre Culliford (1928-1992).

Eu assistia o desenho dos Smurfs na longínqua década de 80 (assisti os 234 episódios) e fico me perguntando se a produção vai ter esse impacto todo na mídia, afinal de contas, nem sei se ainda passam aqueles antigos episódios dos Smurfs na TV ou se fizeram uma nova versão... Mas, vida que segue. O filme vem aí, tanto em 3-D quanto em 2-D, e tem estréia marcada para 12 de agosto de 2011, com roteiro de David Stem e David Weiss (Shrek 2 e 3).

De acordo com a sinopse divulgada pela Sony, o longa começa com Gargamel (Hank Azaria) encontrando a vila dos Smurfs. Em desespero e liderados pelo Smurf Desastrado, os pequenos entram numa gruta proibida e acabam transportados por um portal encantado para o Central Park, em Nova York. Chegando lá, Desastrado, Ranzinza, Smurfette, Gênio, Papai Smurf e Valente são acolhidos por um casal interpretado por Neil Patrick Harris e Jayma Mays.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Experience Hendrix veta filme da Legendary Pictures


O mago da guitarra, Jimi Hendrix, estava nos planos da Legendary Pictures pra ganhar sua cinebiografia mas a Experience Hendrix, detentora do espólio do guitarrista, já vetou o longa temendo a desvalorização do catálogo musical de Hendrix, uma vez que fato semelhante se deu com as músicas do The Doors, logo depois do filme de Oliver Stone chegar as telonas.

A Experience Hendrix, administrada por Janie Hendrix, meia-irmã do guitarrista, em comunicado oficial, justificou a decisão de vetar o longa: "A Legendary foi em frente sem nosso consentimento, direção ou envolvimento. O filme não 'morreu', ele nunca existiu. Quando nós fizermos uma cinebiografia sobre Jimi Hendrix, estaremos envolvidos desde o início."

O projeto que não saiu da gaveta seria inteiramente bancado pela Legendary, que aliás, já tinha até a equipe definida para o filme, com direção de Paul Greengrass (O Ultimato Bourne) e o ator Anthony Mackie (Guerra ao Terror) dando vida à Hendrix. O roteiro, escrito pelo novato Max Borenstein, foi selecionado para a Black List, que elege os melhores roteiros não produzidos de Hollywood.

Um fato muito curioso é que a Experience Hendrix, tem direitos apenas sobre as músicas escritas por Hendrix, mas não é detentora dos direitos sobre a figura do guitar hero. Assim sendo, caso a Legendary tivesse interesse em tocar o projeto, a cinebiografia poderia ganhar vida, no entanto não poderia utilizar músicas autorais, como "Purple Haze" e "Foxy Lady", mas poderia contar com músicas de outros compositores e que foram imortalizadas por Hendrix, como o hino nacional dos EUA, "Wild Thing" e "All Along the Watchtower".

Eu iria achar péssimo ver um filme do Hendrix sem "Purple Haze" na trilha, mas os produtores Bill Gerber e Thomas Tull, já pensando nesse mesmo tipo de reação por parte dos fãs, decidiram abortar o projeto enquanto não tiverem a cooperação da Experience Hendrix. Decisão sensata.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Slash e Ozzy juntos no Brasil?

Conforme eu já tinha postado anteriormente, o guitarrista Slash vem ao Brasil em 2011 para três apresentações, passando pelo Rio de Janeiro, São Paulo e Curitiba. Slash promove seu primeiro disco solo, "Slash", que aliás foi muito bem recebido tanto pelos fãs quanto pela crítica, além de apresentar alguns clássicos do Guns N' Roses.



Essa mini tour brasileira está sendo vista com entusiasmo pelos fãs brazucas, já que em 2010, Slash fez várias apresentações de grande porte, tocando em festivais expressivos, como o Download Festival e o Rock Am Ring e dividiu o palco com alguns convidados do seu disco: Alice Cooper participou do show na França, em meados de junho; Lemmy, do Motorhead, também deu uma palinha em "Doctor Alibi" no show realizado no Download Festival.



A expectativa por conta dos shows no Brasil é que o madman Ozzy Osbourne faça uma aparição surpresa nos shows, já que ambos estarão no Brasil na mesma semana para seus respectivos shows. Pode parecer difícil mas não custa acreditar. Vale lembrar mais uma vez que para os shows brasileiros, o vocalista é Myles Kennedy, que também está no album solo de Slash e tem acompanhado o guitarrista na maior parte dos shows.




quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Julia Stiles faz sua avaliação de Dexter Ano 5


Ainda falando de Dexter, o seriado foi indicado ao Globo de Ouro na categoria melhor série dramática, o protagonista Michael C. Hall foi indicado como melhor ator de uma série dramática e a atriz Julia Stiles recebeu a indicação de atriz coadjuvante pela participação na quinta temporada de Dexter.

Mais abaixo vcs conferem um video com as considerações da Julia sobre o relacionamento do Dexter com a Lumen. Quem ainda não assistiu ao último capítulo, é desaconselhável assistir a entrevista. Depois não digam que eu não avisei!!!


terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Dexter - Balanço da 5ª Temporada (SEM SPOILERS)


Podem ficar tranquilos que eu vou comentar mas sem revelar nenhum detalhe crucial do último capítulo do Dexter, exibido na noite de domingo passado pra não estragar a surpresa de quem ainda vai assistir.

Depois de uma quarta temporada alucinante, a quinta prometia!!! Como um todo, até que atendeu as expectativas e resolveu certas pendengas que desde o ano três começaram a fazer parte da personalidade do Dexter, que são seus conflitos internos e administrar suas emoções, afinal de contas, Dexter se tornou um chefe de família e isso acabou tirando um pouco o ar de "serial killer" e mostrando um personagem mais humano.

Outro trunfo da quinta temporada foi a entrada da atriz Julia Stiles, interpretando a atormentada Lumen, que de certa maneira, ajudou Dexter a superar a perda da falecida esposa, Rita. O problema foi que os produtores não tinham a intenção de manter a Julia Stiles pra próxima temporada e pra tirar a atriz da série, arrumaram uma desculpa pra lá de esfarrapada, pelo menos na minha visão. E diferentemente do que minha ansiedade já maquinava para a personagem, ficou um sabor de indignação depois do último capítulo. Mas aí não posso me aprofundar mais...



O destino de Jordan Chase não deve ser novidade pra ninguém, o X da questão é como a dupla de "vigilantes" vai chegar ao seu objetivo. E pra quem não se lembra, o promo do season finale insinuava que Debra ia dar um flagrante no Dexter e na Lumen, acabando com o disfarce de bom moço do nosso herói, mas a única coisa que tenho a dizer é: podem tirar o cavalinho da chuva....

A verdade é que depois de um desfecho de tirar o fôlego no ano quatro, a quinta temporada terminou sem um grande gancho, encerrando de forma mais tranquila, com a reaproximação de Dexter com Astor e Coddy e com um aparente retorno de Dexter ao bom, velho e metódico Dexter, e não o pai de família que se dividia entre os filhos e os assassinatos, dando margem para uma série de improvisações e erros.

Agora Dexter voltou a aceitar sua escuridão interior e vai abraça-la com todas as forças na sexta, e já confirmada, temporada. Mesmo sem uma continuação em aberto pra nos angustiar até o ano que vem, ficamos na expectativa de continuarmos acompanhando novas e emocionantes histórias do "serial killer" favorito dos americanos.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Os Remixes Mais Estranhos


Como se já não fosse o suficiente convivermos com alguns covers estranhos, existem ainda os remixes, que fazem uma verdadeira salada de estilos, dando origem as mais variadas e estranhas versões de diversos sucessos da música rock/pop. Alguns até que são interessantes, outros nem tanto... D'Oh!



Kiss: "Detroit Rock City" em versão Reagge


Iron Maiden: "The Trooper" em versão bossa-nova


Metallica: "Enter Sandman" em versão Smooth Jazz Version


Lady Gaga: "Paparazzi" em versão metal


Justin Bieber: "Baby" em versão metal


Ozzy Osbourne: "Crazy Train" em versão Smooth Jazz Version


Beyonce: "Halo" em versão metal

sábado, 11 de dezembro de 2010

Thor - Trailer Oficial


Dessa vez é pra valer!!! Depois do video de 6 minutos vazado da San Diego Comic-Con e que foi prontamente banido da rede pelos advogados da Marvel Studios (quem viu, viu, quem não viu, perdeu!!!) o primeiro trailer oficial e autorizado do filme "Thor" chegou à rede ontem, mais precisamente às 22h e vcs já conferem aqui no Rodz Online.

A película estréia por terras tupiniquins em 29 de abril de 2011, uma semana antes do lançamento norte americano. Só posso dizer que eu aguardo ansiosamente!

Thor é dirigido por Kenneth Branagh e tem no elenco Natalie Portman, Chris Hemsworth, Kat Dennings, Anthony Hopkins,Rene Russo e Ray Stevenson.

Confira outros posts sobre o filme clicando aqui.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Judas Priest - Epitaph Tour

Depois de 40 anos de muito heavy metal, o Judas Priest, uma das bandas mais influentes de todos os tempos, anunciou sua turnê de despedida, batizada de “Epitaph Tour”. A banda garante que é o fim das grandes turnês mas não de suas atividades como um todo, deixando as portas abertas para shows isolados e talvez alguns albuns.



Quanto a tour derradeira, o Judas também afirma que as maiores cidades do mundo terão a chance de assisti-los tocando as músicas que ajudaram a banda a se transformar em sinônimo de Heavy Metal. De acordo com o press release divulgado no próprio site da banda, os fãs terão sua última chance de testemunhar a experiência definitiva do Metal que é o JUDAS PRIEST!

O giro final começa em 2011 pela Europa e as seguintes datas já estão confirmadas:

Jun. 09 - Sweden Rock Festival, Sölvesborg, Sweden
Jun. 11 - Sauna Open Air, Finland
Jun. 17 - Copenhell Festival, Copenhagen, Denmark
Jun. 19 - Hellfest, Nantes, France
Jun. 22 - Gods of Metal Festival, Milan, Italy
Jun. 25 - Graspop Metal Meeting, Dessel, Belgium
Jul. 23 - High Voltage Festival, London, UK
Aug. 05 - Wacken Open Air, Wacken, Germany

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Cowboys & Aliens - Trailer Oficial


É fato que muitos trailers nos enganam, dando a sensação de que vem um filmaço e acabamos quebrando a cara. Mas depois de assistir ao trailer de "Cowboys & Aliens" , próximo longa de Jon Favreau, diretor dos filmes do Homem de Ferro, a expectativa é a das melhores possíveis.

Como protagonista temos Daniel Craig, interpretando um forasteiro sem memória que chega a desértica cidade de Absolution, no Arizona de 1873 para liderar um grupo de cowboys e índios e combater uma invasão alienígena. Interessou? Confiram o trailer mais abaixo.

A DreamWorks é responsável pela adaptação ao cinema do gibi de Fred Van Lente (texto) e Ian Richardson (desenhos) que tem ainda no elenco Harrison Ford, Adam Beach, Olivia Wilde, Sam Rockwell, Abigail Spencer, Noah Ringer, Paul Dano, Clancy Brown e Keith Carradine.

A versão mais recente do roteiro é de Alex Kurtzman, Roberto Orci e Damon Lindelof. Steven Spielberg assina a produção executiva. A estréia de Cowboys & Aliens ainda está longe e só acontece em 29 de julho de 2011. Só nos resta esperar...


segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Slash no Brasil em 2011

Parece que ano que vem o Brasil vai mesmo bombar com shows internacionais. Além do Rock in Rio, U2 e Ozzy, quem pinta por aqui é o eterno guitarrista do Guns N' Roses, Slash. De acordo com o próprio site oficial do guitarrista, três datas estão agendadas para apresentações no Brasil. Anotem aí:

06/04 - Rio de Janeiro, Circo Voador
07/04 - Sao Paulo, HSBC Hall
08/04 - Curitiba, TBA



É uma excelente oportunidade para assistir um show de rock n' roll de qualidade e curtir os clássicos do Guns N' Roses como eles merecem ser tocados. É bom lembrar tb que quem acompanha Slash nos vocais é Myles Kennedy, o competente vocalista da banda Alter Bridge.

Além das datas brazucas, Slash e sua gangue tb tem outras datas agendadas na turnê sul americana.

04/04 - Santiago, Chile - Teatro Caupolican
10/04 - Buenos Aires, Argentina - Estadio Cubierto Islas Malvinas
13/04 - San Juan, Puerto Rico - Coliseo de Puerto Rico









domingo, 5 de dezembro de 2010

Sepultura no Wacken 2011

Além de tocar no Rock in Rio do ano que vem, o Sepultura foi confirmado como atração de outro grande festival, o Wacken Open Air Festival, que rola entre 4 e 6 de agosto de 2011, na cidade de Wacken, em Schleswig-Holstein, no norte da Alemanha. Mais uma oportunidade pro Sepultura se fortalecer novamente no cenário mundial.

Falando em Wacken Open Air, prestes a completar 21 anos, o evento já se tornou o maior festival no calendário metal europeu e inclui uma média de 70 bandas de toda Europa, América do Norte e Austrália, que tocam em quatro palcos separados durante todo o festival. O Wacken Open Air normalmente acontece no início de agosto e tem duração de três dias, em que os fãs costumam acampar áreas de camping gigantes nas redondezas do local do festival. Um deleite para os fãs de metal. Enquanto isso, aguardamos a prometida versão brazuca do festival...



As seguintes atrações já foram confirmadas:

APOCALYPTICA
AVANTASIA
BLIND GUARDIAN
EXCREMENTORY GRINDFUCKERS
KHOLD
MAYHEM
OZZY OSBOURNE
SEPULTURA
SUICIDAL TENDENCIES
WARRANT



sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Motörhead Anunciado no Rock in Rio 2011

O negócio está ficando bom!!! Na manhã da última segunda-feira, mais duas atrações do Rock in Rio foram anunciadas e entre elas uma de peso, o Motörhead, que vai se apresentar no Palco Mundo, se juntando ao Metallica na terceira noite, 25 de setembro de 2011, no "Dia Metal". Depois de participar do Rock in Rio Lisboa esse ano, as negociações pra tocar aqui no Rio ficaram ainda mais fáceis.

O grupo Coheed and Cambria, de Nova York, tb foi anunciado para a mesma noite. Agora só falta o tio Medina conseguir trazer AC/DC, Judas Priest ou Megadeth pra fazer minha felicidade ser completa. Aliás, eu ainda não pude comprar o tal do Rock in Rio Card... será que vai sobrar ingresso pra mim?



É bom lembrar que Sepultura e Angra estão escalados para o mesmo dio, porém em palco diferente. Os dois tocarão no Palco Sunset, onde promoverão jam sessions ao lado de convidados que serão revelados em breve. A organização do Rock In Rio também já anunciou as bandas Red Hot Chili Peppers, Snow Patrol e Capital Inicial para a noite "Rock Alternativo".

O evento já vendeu mais de 60 mil ingressos antecipados, o Rock in Rio Card, por meio do site oficial do festival . Desde o dia 19 de novembro a organização disponibiliza um lote limitado de ingressos a R$ 190 (inteira) e R$ 95 (meia-entrada). A troca pelo bilhete será feita a partir do dia 11 de janeiro - antes da venda oficial, garantindo que a data escolhida não esteja esgotada.

O festival acontecerá nos dias 23, 24, 25 e 30 de setembro e 1 e 2 de outubro de 2011, no Parque Olímpico Cidade do Rock, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.












quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

20 Músicas para se Ouvir no Ipod - Slayer

Dando sequência a série "20 músicas pra se ouvir no Ipod", sempre com 20 músicas escolhidas pra quem não conhece muito das bandas em destaque e quer fazer um apanhado com as faixas mais populares e grandes hits e singles de cada uma.

Seguem 20 músicas de um dos pioneiros do thrash metal californiano: Slayer

Slayer

1-Evil Has No Boundaries (Show No Mercy)
2-Die by the Sword (Show No Mercy)
3-Black Magic (Show No Mercy)
4-Show No Mercy (Show No Mercy)
5-Chemical Warfare (Haunting the Chapel)
6-Captor of Sin (Haunting the Chapel)
7-World Painted Blood (World Painted Blood)
8-Aggressive Perfector (Haunting the Chapel)
9-Hell Awaits (Hell Awaits)
10-Necrophiliac (Hell Awaits)
11-Angel of Death (Raining Blood)
12-Jihad (Christ Illusion)
13-Jesus Saves (Raining Blood)
14-Postmortem (Raining Blood)
15-Raining Blood (Raining Blood)
16-South of Heaven (South of Heaven)
17-Mandatory Suicide (South of Heaven)
18-War Ensemble (Seasons in the Abyss)
19-Dead Skin Mask (Seasons in the Abyss)
20-Seasons in the Abyss (Seasons in the Abyss)







terça-feira, 30 de novembro de 2010

Raimundos - Jaws

Os RAIMUNDOS estão de volta!!! E sinceramente eu desejo que a banda volte a trilhar o caminho dos sucessos, mesmo com a dificuldade do atual mercado fonográfico e com a pré-disposição da mídia pra nos empurrar goela abaixo os "reboletions" da vida. Curti a faixa nova, "Jaws", bem trabalhada e bem pesada. A letra não lembra tanto os velhos tempos, uma vez que o Raimundos, apesar do som pesado sempre foi conhecido pelas letras irreverentes, mas fechou legal com a música.



A formação atual conta com Digão (vocal e guitarra), Marquim (guitarra), Canisso (baixo) e Caio (bateria) e a banda lançou o video da música pelo site Globo.com, que vcs conferem aqui no Rodz. Lembrando que a faixa “Jaws” vai estar no repertório do DVD "RODA VIVA", próximo lançamento da banda que será gravado no dia 18 de dezembro deste ano na casa de shows de SP Kazebre. Vamos torcer que os caras tenham sucesso em nome do rock nacional.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Enterrado Vivo

De cara pode parecer um filme de terror mas na verdade estamos falando de um thriller de suspense claustrofóbico, tenso e agonizante. Um americano que trabalhava no Iraque sofre um atentado e quando acorda descobre que foi enterrado vivo. 170 mil milhas quadradas de deserto, um caixão, um isqueiro, um celular e um homem comum lutando para respirar nos seus últimos 90 minutos de vida. O espanhol Rodrigo Cortés dirigiu o ator Ryan Reynolds nesse enorme sucesso no circuito alternativo, tanto de público quanto de crítica.



Para os fãs do cinema "porradaria e tiro", é melhor esquecer. "Enterrado Vivo" (Buried, no original) não tem nenhuma variação de cenários e os 88 minutos de duração são ambientados no caixão, iluminado somente pelo isqueiro e pelo Blackberry enterrado junto do protagonista. A coisa fica mais apavorante quando o protagonista fica privado das fontes de luz e nós, espectadores, também em completa escuridão, embarcamos na experiência, ouvindo apenas a respiração ofegante da falta de oxigênio do personagem.

Apesar de alguns furos aqui e ali, o diretor espanhol Rodrigo Cortés conseguiu superar o desafio de sustentar um longa-metragem com um conceito não convencional, filmando um espaço mínimo em ângulos inventivos e Ryan Reynolds comprovou sua versatilidade e alcance dramático na interpretação do agonizante aprisionado. O filme fez sua estréia no prestigiado Festival de Sundance, ganhando muitos aplausos além de ter recebido críticas positivas. Quem gosta de filmes alternativos vale dar uma conferida.






domingo, 28 de novembro de 2010

Mr Big - What If...

Depois de reunir a formação original, fazer uma turnê de grande sucesso pelo Japão, Europa e Sudeste da Ásia em 2009 e do bem sucedido lançamento do DVD ao vivo ‘Back To Budokan “, o Mr Big decidiu que queria gravar um album com material totalmente novo. Intitulado de “What If …” , o play foi gravado durante todo o mês de setembro de 2010, em Los Angeles, e vai ser lançado, primeiro no Japão, no dia 15 de dezembro. No resto do mundo, o lançamento é em janeiro de 2011 pela Frontiers Records.



"What If..." terá três versões. Uma edição especial CD e DVD em digipack, CD e vinil, e a edição de luxo que será uma caixa contendo o CD, DVD e o LP.


Segue o track list:

1. Undertow
2. American Beauty
3. Stranger In My Life
4. Nobody Takes The Blame
5. Still Ain’t Enough For Me
6. Once Upon A Time
7. As Far As I Can See
8. All The Way Up
9. I Won’t Get In My Way
10. Around The World
11. I Get The Feeling
12. Unforgiven (faixa bônus exclusiva para a Europa e América do Norte – não na edição em vinil)

O DVD vai incluir os videos de "Undertow" e "All The Way Up" e um Making of do album, incluindo entrevistas exclusivas.

O primeiro single, "Undertow", teve seu lançamento oficial ontem e vcs já conferem aqui no Rodz Online:

sábado, 27 de novembro de 2010

Twisted Sister Faz Show Hoje em São Paulo

Um dos ícones do hard rock oitentista , a banda TWISTED SISTER está de volta ao Brasil e faz hoje mais uma apresentação em São Paulo. Para animar a festa glam, a abertura do show vai ficar por conta da banda "Salário Mínimo".



A banda tem hoje a formação original, com Dee Snider no vocal, Mark Animal Mendoza no baixo, AJ Pero na bateria, Eddie Ojeda e Jay Jay French nas guitarras, que se consagraram com os hits do álbum "Stay Hungry" --"We're Not Gonna Take It" e "I Wanna Rock".

Na véspera do show de Curitiba (25 de novembro), os guitarristas Jay Jay French e Eddie Ojeda, aproveitaram para conceder uma entrevista bem humorada a radio 91 Rock e alguns jornalistas convidados.

Por que demoraram tanto para vir ao Brasil?

Jay Jay: Para que uma banda vá tocar em determinado país é preciso que haja um acordo entre produtores e gravadora e, no nosso caso, esse acordo nunca aconteceu. Nós chegamos a tocar em 20 países após o lançamento de Stay Hungry (1984) e obtivemos certificados de platina em oito deles, só que ficamos na estrada durante um ano e meio e depois disso, só queríamos saber de voltar para a casa. Esperávamos ir ao Brasil na turnê do disco seguinte, Come Out and Play (1985), mas ele não fez tanto sucesso. Na época, nem os produtores nem a gravadora quiseram investir em uma turnê longa.

A primeira vez que a banda veio ao Brasil foi no ano passado, quando fez uma única apresentação em São Paulo. Como foi?

Jay Jay: Foi inacreditável! Posso dizer que foi um dos melhores shows de nossa carreira. Nós quase choramos! Depois de tanto tempo de rock, poucas coisas são capazes de nos surpreender, mas em São Paulo ficamos abismados com a quantidade de jovens de 21 anos que estavam na plateia. Pessoas que ainda nem haviam nascido na época em que lançamos Stay Hungry! Como performer, ao mesmo tempo que isso faz com que você se sinta muito bem, é uma grande responsabilidade. Para esses garotos, você tem uma reputação a zelar, então é bom fazer a coisa direito!


Como o Twisted Sister conseguiu renovar seus fãs?

Jay Jay: Durante 25 anos tocamos nos maiores festivais do mundo e sempre estamos com o mesmo ânimo da primeira vez. Quando se faz bons shows em diversos lugares você agrada pessoas, independente, da idade e pode ter retorno durante muitos anos.

Eddie: Por ser a segunda vez que estamos no Brasil sentimos a mesma atmosfera e empolgação do início de carreira. Utilizamos o mesmo ritual de 25 anos atrás. É uma renovação de público para nós.



O disco “Stay Hungry” se tornou um trabalho clássico da década de 80. Qual avaliação vocês fazem do álbum?

Eddie: O disco foi composto e gravado em Nova Iorque e terminado na Califórnia. Quando você grava um disco não dá para saber o que pode acontecer. É um prazer ter composto músicas para este álbum, que se tornaram clássicos como "We're Not Gonna Take It" - usada como tema do exército norte-americano. "I Wanna Rock' serviu como trilha sonora em diversos filmes. São canções que se tornaram clássicos. Quando compusemos não pensavámos onde as músicas poderiam chegar.

Jay Jay: O disco na época foi multiplatina em nove países, mas do lado oposto os videoclipes foram responsáveis por determinar a nossa imagem. Não transmitia necessariamente o que pensamos. Quando subimos no palco tentamos provar para as pessoas que não somos só o que aparece na TV. Não queremos mostrar só imagem. Por isso levamos a sério o trabalho em cima do palco. Temos sempre o desafio de mostrar que a música é a prioridade. Ter muito sucesso pode ser ruim por causa da questão da imagem.


Vocês participaram de uma geração que veio depois do Black Sabbath, Led Zeppelin, Jimi Hendrix e outros importantes nomes. Quem são seus heróis?

Eddie: Começamos fazendo covers de David Bowie, Jimi Hendrix, Queen, Cream e outras grandes bandas.

Jay Jay: Beatles e Rolling Stones me influenciaram, mas os meus heróis não são os músicos. São as pessoas que tentam mudar o mundo. Tenho uma filha com doença crônica que tem que combater todos os dias. Meu grande herói atualmente é o médico de minha filha. Os heróis do mundo são as pessoas que tentam mudá-lo.




SERVIÇO:
Via Funchal
Data: 27 de novembro (sábado)
Horário: 22h
Abertura da casa:20h
Local: Rua Funchal, 65 - Vila Olímpia, São Paulo, SP.
Tel.: 0/xx/11/2198-7718.

Pista Premium (em pé) - R$200,00
Pista - R$ 140,00
Mezanino - R$ 200,00
Camarote - R$ 250,00

Cartões de crédito: Diners, Mastercard e Visa. Acesso a deficientes. Ar-condicionado. Estacionamento com manobrista: R$ 25 e R$ 30. Não recomendado para menores de 12 anos. www.viafunchal.com.br

Eu não sou fanático pela banda mas curto muito o "Stay Hungry". Bom show para aqueles que estarão lá.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

19 Anos sem Dois Gênios da Música

Exatamente no dia 24 de Novembro de 1991 o mundo da música perdia 2 figuras lendárias. Eric Carr, baterista do Kiss, que morreu aos 41 anos de idade, em decorrência de um câncer no coração e nos pulmões e o vocalista do Queen, o carismático Freddie Mercury, que morreu aos 45 anos de idade, em decorrência da AIDS.

Eric Carr participou das audições para a escolha do novo baterista do Kiss em maio de 1980 , competindo com mais de 2.000 candidatos.
Sua intenção era se caracterizar como uma águia mas após uma tentativa fracassada , Eric encontrou na raposa, "The Fox" o seu personagem no universo do Kiss. Aliás, a escolha do personagem ficou mesmo a cargo do linguarudo Gene Simmons, que justificou a escolha dizendo que Eric era astuto como uma raposa.

Seu primeiro show com a banda foi no New York Palladium em 25 de Julho de 1980 e em 1981 o Kiss lançou o primeiro disco com Eric nas baquetas, "Music From The Elder". Também participou da fase "sem maquiagem" da banda, com os discos "Lick It Up" (1983), "Animalize" (1984), "Asylum" (1985), "Crazy Nights" (1987), "Smashes, Thrashes & Hits", onde cantou a faixa "Beth", maior sucesso na voz de seu antecessor Peter Criss (1988) e "Hot In The Shade" (1989).

Seu último show foi no Madison Square Garden em 9 de novembro de 1990. Em abril de 1991, durante a gravação do disco "Revenge", Eric descobriu que sofria de um tipo raro de câncer no coração e foi operado no mesmo mês. Entretanto, o câncer não regrediu, tomando o coração de Eric, que entrou em coma pouco antes de morrer, em 24 de novembro de 1991.








Freddie se bacharelou em artes e ainda na faculdade, conheceu o baixista Tim Staffell, que tocava em uma banda chamada Smile, que tinha Brian May como guitarrista e Roger Taylor como baterista, e levou Freddie para participar dos ensaios.
Em abril de 1970, Tim deixou o grupo e Freddie acabou assumindo o posto de vocalista da banda que passou a se chamar Queen.

Muitos dos sucessos da banda, como "Bohemian Rhapsody", "Somebody to Love", "Love Of My Life" e "We Are the Champions" foram compostos por Freddie que se tornou a imagem da banda com suas lendárias performances ao vivo. A vontade com que Freddie dominava as multidões e os seus improvisos vocais envolvendo o publico no show, tornaram as suas turnês num enorme sucesso,tanto na década de 70 mas principalmente nos anos 80 onde encheram estádios no mundo inteiro.

Em 1991 surgiam rumores que Mercury estava com AIDS, que se confirmaram em uma declaração feita pelo próprio em 23 de novembro, um dia antes de sua morte, na noite de 24 de novembro de 1991 em sua própria casa, chamada de Garden Lodge. Os membros remanescentes dos Queen fundaram uma associação de caridade em seu nome, a "The Mercury Phoenix Trust", e organizaram em 20 de abril de 1992, no Wembley Stadium, o concerto beneficente "The Freddie Mercury Tribute Concert" para homenagear o trabalho e a vida de Freddie.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Rock In Rio - AC/DC lidera as pesquisas

O cast do próximo Rock in Rio começa a tomar forma e com o anúncio do Metallica e do Red Hot Chilli Peppers, os nomes mais fortes até o momento, já estou me arriscando a sonhar um pouquinho depois de ler uma matéria publicada pelo Globo.



É que em uma pesquisa realizada entre os leitores, perguntando "Se você pudesse escolher apenas uma banda para ver no Rock In Rio 4, qual seria?", o resultado apontou nada menos que o AC/DC. O mais interessante é que a manchete saiu assim: "AC/DC Na Cabeça. Nada de Lady Gaga: Leitores do Globo querem os clássicos e os impossíveis no Rock In Rio 4". Quem sabe Medina se arrisca nas negociações com Angus e sua trupe?

Nomes como Pearl Jam, U2, Pink Floyd e Guns 'n' Roses também figuraram na lista. Agora o mais engraçado é que alguns desavisados pediram Mamonas Assassinas, Legião Urbana, Beatles e Nirvana. Só se for através de uma sessão espírita né? Um outro leitor mais gaiato pediu uma nova apresentação de Carlinhos Brown, já que em 2001, perdeu a chance de acertar a garrafa no baiano por "três dedinhos". Aposto que muita gente tb queria uma chance dessas.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Ozzy Osbourne volta ao Brasil em 2011

O Madman vai voltar!!!! A tour de divulgação do seu último album “Scream” vai passar por 5 cidades brazucas no ano que vem, Porto Alegre (30 de março), São Paulo (2 de abril), Brasília (5 de abril), Rio de Janeiro (7 de abril) e Belo Horizonte (9 de abril). As apresentações prometem clássicos da carreira solo de Ozzy como “Crazy Train”, “Bark At The Moon” e “Mr. Crowley”, além dos clássicos do Black Sabbath como “Paranoid” e “War Pigs”. Mais uma vez estarei lá!



Anotem aí os serviços do Rio de Janeiro

Local: Citibank Hall – RJ - Av. Ayrton Senna, 3000 - Shopping Via Parque - Barra da Tijuca
Central de Vendas Tickets For Fun: 4003 0848
Única apresentação: Quinta-feira, 07 de abril de 2011
Horário: 21h30
Duração do show: aproximadamente 2h
Classificação etária: Não será permitida a entrada de menores de 12 anos; 12 anos a 15 anos: permitida a entrada (acompanhados dos pais ou responsáveis legais); a partir de 16 anos: permitida a entrada (desacompanhados).
Capacidade: 8432 pessoas
Meio de Pagamento Preferencial: Credicard
Acesso para deficientes

PREÇOS DOS INGRESSOS:
PISTA R$ 200,00 (INTEIRA) R$ 100,00 (½ ENTRADA)

Os preços dos shows de Porto Alegre, Brasília e Belo Horizonte ainda não foram divulgados, bem como o local, datas de pré-venda e venda.



http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=OZZYUMB10

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Lanterna Verde - O Filme (Trailer Oficial)


Para o deleite de nós fãs, cada vez mais filmes de super-heróis das HQs estão chegando as telonas!!! Ano que vem teremos Capitão América, Thor, X-Men First Class e o esperadíssimo Lanterna Verde.
Aliás o primeiro trailer oficial do herói esmeralda da DC Comics já está na rede e vcs podem conferir aqui.

No filme veremos como Hal Jordan (Ryan Reynolds) recebe o anel energético e se transforma em um integrante da Tropa dos Lanternas Verdes, espécie de polícia das galáxias. E já pelo trailer podemos dar uma vislumbrada em vários elementos marcantes do universo esmeralda, como OA, o planeta-sede da Tropa, diversos membros como Sinestro (Mark Strong), Tomar-Re e Kilowog, além do uniforme clássico e do Lanterna alienígena Abin Sur (Temuera Morrison), responsável por repassar o anel para Jordan.

A previsão de lançamento de Lanterna Verde é o dia 17 de junho de 2011 , com cópias em 3-D e 2-D. Agora é ficar no aguardo e na torcida por um grande filme. Potencial tem!

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Bon Jovi em Dueto com Rihanna

O Bon Jovi tocou em Madrid, na Espanha, no último dia 6 de novembro. A novidade é que a cantora Rihanna que tb estava na cidade aproveitou a ocasião pra dar uma tietada e uma canja no show. Confiram!



domingo, 14 de novembro de 2010

Pantera - Cowboys From Hell: The Demos

Dia 22 de Novembro chega as lojas (pelo menos lá fora) a Ultimate Edition do album “Cowboys From Hell” do Pantera, que está comemorando o seu 20° aniversário. Para os mais fanáticos, será lançado em vinil e em edição limitada o "Cowboys From Hell: The Demos", com capa customizada e como o nome já sugere, com as demos de "Cowboys From Hell" assim como a demo inédita de "The Will To Survive", gravada durante as sessões do álbum. Confiram mais abaixo um vídeo com o ex-vocalista do Pantera, o fanfarrão Phil Anselmo, apresentando o "Ultimate Edition" do "Cowboys".




A Ultimate Edition vai trazer os 3 discos da "Deluxe Edition" (edição de luxo), livreto de 60 páginas com fotos raras, uma camiseta de Ano Novo desenhada pelo finado Dimebag Darrell, reprodução de flyers da época, bottom "Fucking Hostile". Todas as três edições incluem uma nova versão remasterizada do álbum original, juntamente com inéditas e raras apresentações ao vivo da “Cowboys From Hell Tour”. O "Ultimate" e "Deluxe" também apresentam um disco de demos inéditas por quase todos os álbuns. É obvio que o lançamento é destinado aos fãs mais ardorosos mas eu recomendo muito o album simples, pq a intensidade e os riffs do Pantera no início dos anos 90 representaram um novo gás no mundo do metal. Faixas como "Cowboys From Hell", "Primal Concrete Sledge", "Psycho Holiday", "Cemetery Gates" e "Domination" são clássicas. Pra quem curte, agora é só guardar a grana...


Disco Um – Edições Ultimate, Deluxe e Expanded.

01. Cowboys From Hell
02. Primal Concrete Sledge
03. Psycho Holiday
04. Heresy
05. Cemetery Gates
06. Domination
07. Shattered
08. Clash With Reality
09. Medicine Man
10. Message In Blood
11. The Sleep
12. The Art Of Shredding








Disco Dois - Edições Ultimate, Deluxe e Expanded.

01. Domination (live)
02. Psycho Holiday (live)
03. The Art Of Shredding (live)
04. Cowboys From Hell (live)
05. Cemetery Gates (live)
06. Primal Concrete Sledge (live)
07. Heresy (live)
08. Domination (live, "Alive And Hostile" EP)
09. Primal Concrete Sledge (live, "Alive And Hostile" EP)
10. Cowboys From Hell (live, "Alive And Hostile" EP)
11. Heresy (live, "Alive And Hostile" EP)
12. Psycho Holiday (live, "Alive And Hostile" EP)

Disco Três – Somente edições Ultimate e Deluxe.

01. The Will To Survive (demo)
02. Shattered (demo)
03. Cowboys From Hell (demo)
04. Heresy (demo)
05. Cemetery Gates (demo)
06. Psycho Holiday (demo)
07. Medicine Man (demo)
08. Message In Blood (demo)
09. Domination (demo)
10. The Sleep (demo)
11. The Art Of Shredding (demo)



quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Bon Jovi - Keep The Faith na Maior Idade

O album "Keep The Faith" do Bon Jovi está completando 18 anos de história. Certamente eu escreveria sobre o album aqui no blog mas depois de ler uma resenha mais que completa no whiplash, seria desnecessário escrever mais alguma coisa. Então acompanhem a matéria a seguir, escrita por Erick Rabello e publicada no site whiplash.

Apesar de ainda cantarmos as canções desse álbum como se tivessem sido lançadas ontem, Keep The Faith está completando 18 anos. Muitas pessoas que estão lendo esse texto, talvez ainda nem tivessem nascido durante aquele louco início de década. Lançado em 03 de novembro de 1992, Keep The Faith veio carregado de significados para a banda. Era o 5° álbum da banda e tinha a difícil tarefa de reposicionar o Bon Jovi nos anos 90.


Não era uma tarefa fácil. Após o lançamento do álbum New Jersey, de 1988, o Bon Jovi embarcou numa turnê mostruosa que já no seu final passou pelo Brasil para duas apresentações no Festival Hollywood Rock de 1990. Empresariado por Doc McGhee, a banda quase implodiu nesse período. Apesar da banda ainda demonstrar entrosamento no palco, nos bastidores as coisa não iam bem. Após o final da turnê, cada membro seguiu seu caminho, se dedicando a projetos solos. O futuro do Bon Jovi era incerto.


Depois de uma turnê cortada pela metade, Richie Sambora e Jon Bon Jovi decidiram sentar pra decidir o futuro da banda. Essa reunião deu-se em outubro de 1991. Com tudo acertado, o chefe decidiu demitir o empresário e criar a Bon Jovi Managements para cuidar dessa nova fase. Foi criado também um selo que seria responsável pelo lançamento do álbum KTF, mas o Jambco não decolou como Jon queria.

Com tudo acertado, a banda viajou para Vancouver, no Canadá e trancafiou-se no Little Mountain Studios, sob a tutela de Bob Rock. A idéia inicial era que o Bob Rock produzisse o álbum Stranger In This Town de Richie Sambora, mas este declinou para produzir o novo álbum do Metallica, o “Black Album” (que se tornou um clássico da década de 90). Como vimos, a escolha do Bob Rock não foi errada. Ao escutar o resultado, Jon acreditava que seria Bob Rock a pessoa mais indicada para dar a cara moderna que ele queria imprimir na banda nessa nova década.


Como citado anteriormente, KTF representava uma mudança muito grande para a banda. Talvez hoje nem seja tão notável, mas na época as mudanças foram enormes em todos os sentidos. A banda estava abandonando o glam rock que os tornara famoso (note que nenhuma faixa lembra os clássicos Slippery When Wet e New Jersey). Com isso, Jon precisou diminuir seu ego e passar a ser mais companheiro dos outros membros da banda. Já não dava mais entrevista sozinho e cada um passou a ter consciência de sua importância dentro da banda. O visual da banda também estava menos carregado e mais limpo que nos anos 80 e a maturidade e a sonoridade saltavam aos ouvidos.



O maior dos desafios era vencer as mudanças que haviam ocorrido na música. O hard rock explorado à exaustão pela MTV já não dominava as paradas de sucesso. Um novo estilo (o grunge) tinha chegado com toda força reformulando o gosto musical. Bandas como U2, Guns N’Roses e Metallica tinham se tornado as mais ambiciosas do planeta. Freddie Mercury tinha morrido em 1991, deixando livre o posto da banda mais extravagante do rock.


Foi nesse contexto que KTF nasceu. Em cima das pressões internas e externas. O primeiro single foi lançado antes do álbum e trazia uma faixa totalmente nova para o contexto de tudo que a banda já tinha feito. Uma clara influência de bandas mais novas como o Live (note a linha de baixo/percussão de “Pain Lies On The Riverside” e vai saber do que estou falando).


“Keep The Faith” ainda trazia em seu lado B a canção natalina “I Wish Everyday Could Be Like Christmas”. Ambas ganharam videoclipes e foram sucessos instantâneos. No vídeo de KTF vemos Jon e Richie pelas ruas de New York, misturados ao povo principalmente no bairro do Brooklin e na Wall Street. O single atingiu o número 1 da parada rock da Bilboard.



O álbum continha oficialmente 12 faixas com clara influência de Rolling Stones e Bruce Springsteen. Atingiu o número 5 na parada Top 200 da Billboard, permanecendo entre os 200 por 49 semanas. No Reino Unido estreou em 1° Lugar, permanecendo 24 semanas entre os 20. Permanecendo nas paradas inglesas por 70 semanas. Nos EUA produziu 3 hits entre os 40+ e no Reino Unido 6 hits entre os 20+, sendo que 3 atingiram o Top 10. No Reino Unido, desbancou Glittering Prize 81/92 do Simple Minds e nos EUA desbancou Erotica de Madonna.

O segundo single foi “Bed Of Roses” que atingiu o número 13 da parada inglesa e o número 5 nas paradas americanas. Era uma balada diferente de todas que a banda já tinha feito. Orientada para o público mais adulto que gostava de megasucesso de Bryan Adams como “Everything I Do (I Do It For You)”. Para mim, contém um dos solos mais bonitos de Richie Sambora. Para o vídeo, o diretor Wayne Isham queria colocar Jon Bon Jovi no topo da montanha, mas Jon disse que já tinha feito isso em Blaze Of Glory e sugeriu que mandassem o Richie e o David Bryan. Além disso, apresentava a banda no palco num show gravado em 31 de dezembro de 1992, no Stabler Arena , em Bethlehem, Pensilvânia.



O terceiro single foi escrito pelo tecladista David Bryan, Jon e Richie. Apenas uma canção de amor, mas com pegada mais rockrer. Atingiu o número 27 da parada americana e o número 9 da parada inglesa.



O quarto single, “I’ll Sleep When I’m Dead”, foi lançado em julho de 1993 e tornou-se um dos Standards da banda durante os shows, muitas vezes dando vazão a medleys sensacionais como com “Jump Jack Flash” dos Rolling Stones e/ou “Papa Was a Rollin’ Stone” do Undisputed Truth. O vídeo brinca bastante com a idéia do filme “A Hard Day’s Night” dos Beatles, onde eles passam todo o tempo tentando sobreviver as fãs.



O quinto single foi “I Believe”, lançado em julho de 1993. Já não fez tanto sucesso, pois não conseguiu emplacar na parada americana, mas atingiu o número 11 da parada inglesa. Possui um dos melhores vídeos feito pela banda e dirigido pelo premiado diretor Nick Egan.



O sexto e último single foi “Dry County” (alterada em alguns países para Dry Country), era a menina dos olhos de Jon. Lançada já em 1994, ela era ambiciosa ao extremo, mas só atingiu o número 9 da parada inglesa, não configurou na parada americana, mas fez muito sucesso em alguns países da América Latina, inclusive no Brasil. A maior canção da banda, ela tem a duração de 9:52 e é uma das melhores vitrines para o talento de Sambora.

Mais tarde, Jon chegou a confessar que a idéia era de que ela fosse importante para a banda assim como “Child in Time” é para o Deep Purple, “Stairway to Heaven” para o Led Zeppelin, “I Want You (She’s So Heavy)” para os Beatles “The End” para o The Doors ou “November Rain” para o Guns N’ Roses. Com o tempo, ela tornou-se o maior pós-hit que a banda poderia produzir, pois é uma das mais pedidas nos shows.




Enfim, KTF conseguiu cumprir a tarefa para o qual foi concebido. Colocou o Bon Jovi de vez nos anos 90. Mostrou uma banda mais coesa, mais madura e mais consciente política e socialmente. Hoje, o Bon Jovi não tem como extrair 6 singles de um álbum, até porque o mercado fonográfico mudou bastante em quase 20 anos e não permite explorar toda a força de um álbum. KTF marcou o último trabalho do Alec na banda e ainda deu fôlego para o lançamento de These Days 3 anos depois. Os lados B’s dessa fase tinham potenciais para serem singles. Escute Fieds of Fire, Starting All Over Again e saberás do que estou falando.


Aproveite que você terminou de ler a matéria, deixe de lado o preconceito por apenas uma hora e coloque o álbum inteiro pra tocar, pois tem faixas brilhantes que jamais foram tocadas no rádio ou na MTV. E se você ainda não entende todo esse sucesso da banda durante essa turnê do The Circle, é porque você não soube o que foi manter a fé naqueles loucos anos 90.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...