domingo, 25 de abril de 2010

Top 5 dos melhores álbuns dos anos 90

Nota: Artigo escrito pelo amigo e colaborador do Rodz Online, Eduardo Bueno

Como o nosso brother Rodrigo venera os anos 80, decidi dar uma chance para os bons discos dos anos 90. Se a lista estiver legal, faço um top 10 ou 20 (com um pouco mais de pesquisa rsrsrs):

1. KISS - Revenge (1992): Aqui no Rodz a gente não cansa em falar do KISS. O Revenge para mim é um épico, pois é o melhor registro de estúdio da melhor formação do KISS na minha opinião (Gene Simmons, Paul Stanley, Bruce Kullick e Eric Singer). Destaque para Unholy, Domino, I Just Wanna e Heart Of Chrome. Vale a pena também conferir o Alive III de 1993, uma pequena amostra do que foi aquela turnê.








2. Megadeth - Rust In Peace (1990): Músicas como Holy Wars e Hangar 18 já colocariam qualquer álbum num top de qualquer década. E Tornado of Souls e Rust in Peace... Polaris tornam o quarto álbum do Megadeth um ícone do trash metal. A opinião de muitas pessoas (eu, por exemplo) é que o Megadeth tem ótimas músicas mas nunca consegue criar um álbum sensacional, daqueles que se tornam referência. Rust In Peace acaba com esse idéia. O álbum é incrível do começo ao fim... É possível garantir que 80% do melhor do Megadeth está aqui.






3. Bruce Dickinson - Chemical Wedding (1998): O segundo disco da volta ao metal de Bruce Dickinson é, sem dúvida, o melhor da sua carreira solo. E não seria exagero dizer que foi o último trabalho dele com o "selo Bruce Dickinson de qualidade". A dupla Roy Z e Adrian Smith se mostra muito introsada e criativa, assim como Mr. Dickinson que massacra nos vocais e nas composições. As melodias, mesmo muitas vezes lentas e sombrias (como em Gates of Urizen), não se tornam cansativas e chatas, bem como as ótimas letras (muitas vezes bem complexas), frutos da parceria Dickinson/Roy Z.
É difícil elogiar um trabalho deste nível sem criar um texto enorme, então sugiro que escutem o disco e tirem suas próprias conclusões.




4. Judas Priest - Painkiller (1990): Apesar de ser o último álbum do Judas Priest com Halford nos vocais (até o seu retorno com Angel of Retribution, em 2005), e do azarão do Chris Tsangarides na produção, o Painkiller marca mais uma revolução na história do Judas e o nascimento de vários clássicos, como A Touch of Evil e a própria faixa título. O speed metal alemão está muito presente no disco que, ao mesmo tempo que inova, recupera muito do estilo setentista. A dupla K.K. Downing e Glenn Tipton como de costume é genial. Claro, vindo de uma banda que lançou British Steel ou Screaming for Vengeance, um Painkiller se torna pequeno. Mas ainda assim, é uma obra-prima dos anos 90.





5. Blind Guardian - Somewhere Far Beyond (1992): Fugindo um pouco das bandas que já eram consagradas nos anos 90, temos o Blind Guardian, que é uma banda que eu gosto muito apesar de achar que eles exageram nos lances élficos hahaha, mas enfim, o povo gosta. Somewhere Far Beyond é aquele tipo de disco que consolida uma banda. Journey Through The Dark, The Quest For Tanelorn e Ashes To Ashes são porradas na cara de qualquer crítico do power metal. Sem falar na clássica The Bard´s Song (que eu não gosto muito, mas em todo o caso...). Esse disco pode ser desconhecido para alguns, mas eu garanto que vale a pena parar por uma hora para ouvir este semi-clássico do metal alemão.






É bom lembrar que nos 90 tivemos o nascimento e/ou ascensão de bandas como Angra, Sepultura, Gamma Ray, Edguy, Nightwish, Hammerfall, Iced Earth, Dream Teather, etc. E ainda outros bons discos de bandas já consagradas como o No Prayer for the Dying do Iron Maiden, o Black Album do Metallica ou os Use Your Illusion do Guns N' Roses. Porém, como eles 'devem' em relação aos lançamentos oitentistas dessas bandas, eu preferi deixá-los de fora.

[]'s

Eduardo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar do RODZ ONLINE. Não deixe de seguir. Sua visita e comentários mantem o blog vivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...