terça-feira, 30 de novembro de 2010

Raimundos - Jaws

Os RAIMUNDOS estão de volta!!! E sinceramente eu desejo que a banda volte a trilhar o caminho dos sucessos, mesmo com a dificuldade do atual mercado fonográfico e com a pré-disposição da mídia pra nos empurrar goela abaixo os "reboletions" da vida. Curti a faixa nova, "Jaws", bem trabalhada e bem pesada. A letra não lembra tanto os velhos tempos, uma vez que o Raimundos, apesar do som pesado sempre foi conhecido pelas letras irreverentes, mas fechou legal com a música.



A formação atual conta com Digão (vocal e guitarra), Marquim (guitarra), Canisso (baixo) e Caio (bateria) e a banda lançou o video da música pelo site Globo.com, que vcs conferem aqui no Rodz. Lembrando que a faixa “Jaws” vai estar no repertório do DVD "RODA VIVA", próximo lançamento da banda que será gravado no dia 18 de dezembro deste ano na casa de shows de SP Kazebre. Vamos torcer que os caras tenham sucesso em nome do rock nacional.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Enterrado Vivo

De cara pode parecer um filme de terror mas na verdade estamos falando de um thriller de suspense claustrofóbico, tenso e agonizante. Um americano que trabalhava no Iraque sofre um atentado e quando acorda descobre que foi enterrado vivo. 170 mil milhas quadradas de deserto, um caixão, um isqueiro, um celular e um homem comum lutando para respirar nos seus últimos 90 minutos de vida. O espanhol Rodrigo Cortés dirigiu o ator Ryan Reynolds nesse enorme sucesso no circuito alternativo, tanto de público quanto de crítica.



Para os fãs do cinema "porradaria e tiro", é melhor esquecer. "Enterrado Vivo" (Buried, no original) não tem nenhuma variação de cenários e os 88 minutos de duração são ambientados no caixão, iluminado somente pelo isqueiro e pelo Blackberry enterrado junto do protagonista. A coisa fica mais apavorante quando o protagonista fica privado das fontes de luz e nós, espectadores, também em completa escuridão, embarcamos na experiência, ouvindo apenas a respiração ofegante da falta de oxigênio do personagem.

Apesar de alguns furos aqui e ali, o diretor espanhol Rodrigo Cortés conseguiu superar o desafio de sustentar um longa-metragem com um conceito não convencional, filmando um espaço mínimo em ângulos inventivos e Ryan Reynolds comprovou sua versatilidade e alcance dramático na interpretação do agonizante aprisionado. O filme fez sua estréia no prestigiado Festival de Sundance, ganhando muitos aplausos além de ter recebido críticas positivas. Quem gosta de filmes alternativos vale dar uma conferida.






domingo, 28 de novembro de 2010

Mr Big - What If...

Depois de reunir a formação original, fazer uma turnê de grande sucesso pelo Japão, Europa e Sudeste da Ásia em 2009 e do bem sucedido lançamento do DVD ao vivo ‘Back To Budokan “, o Mr Big decidiu que queria gravar um album com material totalmente novo. Intitulado de “What If …” , o play foi gravado durante todo o mês de setembro de 2010, em Los Angeles, e vai ser lançado, primeiro no Japão, no dia 15 de dezembro. No resto do mundo, o lançamento é em janeiro de 2011 pela Frontiers Records.



"What If..." terá três versões. Uma edição especial CD e DVD em digipack, CD e vinil, e a edição de luxo que será uma caixa contendo o CD, DVD e o LP.


Segue o track list:

1. Undertow
2. American Beauty
3. Stranger In My Life
4. Nobody Takes The Blame
5. Still Ain’t Enough For Me
6. Once Upon A Time
7. As Far As I Can See
8. All The Way Up
9. I Won’t Get In My Way
10. Around The World
11. I Get The Feeling
12. Unforgiven (faixa bônus exclusiva para a Europa e América do Norte – não na edição em vinil)

O DVD vai incluir os videos de "Undertow" e "All The Way Up" e um Making of do album, incluindo entrevistas exclusivas.

O primeiro single, "Undertow", teve seu lançamento oficial ontem e vcs já conferem aqui no Rodz Online:

sábado, 27 de novembro de 2010

Twisted Sister Faz Show Hoje em São Paulo

Um dos ícones do hard rock oitentista , a banda TWISTED SISTER está de volta ao Brasil e faz hoje mais uma apresentação em São Paulo. Para animar a festa glam, a abertura do show vai ficar por conta da banda "Salário Mínimo".



A banda tem hoje a formação original, com Dee Snider no vocal, Mark Animal Mendoza no baixo, AJ Pero na bateria, Eddie Ojeda e Jay Jay French nas guitarras, que se consagraram com os hits do álbum "Stay Hungry" --"We're Not Gonna Take It" e "I Wanna Rock".

Na véspera do show de Curitiba (25 de novembro), os guitarristas Jay Jay French e Eddie Ojeda, aproveitaram para conceder uma entrevista bem humorada a radio 91 Rock e alguns jornalistas convidados.

Por que demoraram tanto para vir ao Brasil?

Jay Jay: Para que uma banda vá tocar em determinado país é preciso que haja um acordo entre produtores e gravadora e, no nosso caso, esse acordo nunca aconteceu. Nós chegamos a tocar em 20 países após o lançamento de Stay Hungry (1984) e obtivemos certificados de platina em oito deles, só que ficamos na estrada durante um ano e meio e depois disso, só queríamos saber de voltar para a casa. Esperávamos ir ao Brasil na turnê do disco seguinte, Come Out and Play (1985), mas ele não fez tanto sucesso. Na época, nem os produtores nem a gravadora quiseram investir em uma turnê longa.

A primeira vez que a banda veio ao Brasil foi no ano passado, quando fez uma única apresentação em São Paulo. Como foi?

Jay Jay: Foi inacreditável! Posso dizer que foi um dos melhores shows de nossa carreira. Nós quase choramos! Depois de tanto tempo de rock, poucas coisas são capazes de nos surpreender, mas em São Paulo ficamos abismados com a quantidade de jovens de 21 anos que estavam na plateia. Pessoas que ainda nem haviam nascido na época em que lançamos Stay Hungry! Como performer, ao mesmo tempo que isso faz com que você se sinta muito bem, é uma grande responsabilidade. Para esses garotos, você tem uma reputação a zelar, então é bom fazer a coisa direito!


Como o Twisted Sister conseguiu renovar seus fãs?

Jay Jay: Durante 25 anos tocamos nos maiores festivais do mundo e sempre estamos com o mesmo ânimo da primeira vez. Quando se faz bons shows em diversos lugares você agrada pessoas, independente, da idade e pode ter retorno durante muitos anos.

Eddie: Por ser a segunda vez que estamos no Brasil sentimos a mesma atmosfera e empolgação do início de carreira. Utilizamos o mesmo ritual de 25 anos atrás. É uma renovação de público para nós.



O disco “Stay Hungry” se tornou um trabalho clássico da década de 80. Qual avaliação vocês fazem do álbum?

Eddie: O disco foi composto e gravado em Nova Iorque e terminado na Califórnia. Quando você grava um disco não dá para saber o que pode acontecer. É um prazer ter composto músicas para este álbum, que se tornaram clássicos como "We're Not Gonna Take It" - usada como tema do exército norte-americano. "I Wanna Rock' serviu como trilha sonora em diversos filmes. São canções que se tornaram clássicos. Quando compusemos não pensavámos onde as músicas poderiam chegar.

Jay Jay: O disco na época foi multiplatina em nove países, mas do lado oposto os videoclipes foram responsáveis por determinar a nossa imagem. Não transmitia necessariamente o que pensamos. Quando subimos no palco tentamos provar para as pessoas que não somos só o que aparece na TV. Não queremos mostrar só imagem. Por isso levamos a sério o trabalho em cima do palco. Temos sempre o desafio de mostrar que a música é a prioridade. Ter muito sucesso pode ser ruim por causa da questão da imagem.


Vocês participaram de uma geração que veio depois do Black Sabbath, Led Zeppelin, Jimi Hendrix e outros importantes nomes. Quem são seus heróis?

Eddie: Começamos fazendo covers de David Bowie, Jimi Hendrix, Queen, Cream e outras grandes bandas.

Jay Jay: Beatles e Rolling Stones me influenciaram, mas os meus heróis não são os músicos. São as pessoas que tentam mudar o mundo. Tenho uma filha com doença crônica que tem que combater todos os dias. Meu grande herói atualmente é o médico de minha filha. Os heróis do mundo são as pessoas que tentam mudá-lo.




SERVIÇO:
Via Funchal
Data: 27 de novembro (sábado)
Horário: 22h
Abertura da casa:20h
Local: Rua Funchal, 65 - Vila Olímpia, São Paulo, SP.
Tel.: 0/xx/11/2198-7718.

Pista Premium (em pé) - R$200,00
Pista - R$ 140,00
Mezanino - R$ 200,00
Camarote - R$ 250,00

Cartões de crédito: Diners, Mastercard e Visa. Acesso a deficientes. Ar-condicionado. Estacionamento com manobrista: R$ 25 e R$ 30. Não recomendado para menores de 12 anos. www.viafunchal.com.br

Eu não sou fanático pela banda mas curto muito o "Stay Hungry". Bom show para aqueles que estarão lá.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

19 Anos sem Dois Gênios da Música

Exatamente no dia 24 de Novembro de 1991 o mundo da música perdia 2 figuras lendárias. Eric Carr, baterista do Kiss, que morreu aos 41 anos de idade, em decorrência de um câncer no coração e nos pulmões e o vocalista do Queen, o carismático Freddie Mercury, que morreu aos 45 anos de idade, em decorrência da AIDS.

Eric Carr participou das audições para a escolha do novo baterista do Kiss em maio de 1980 , competindo com mais de 2.000 candidatos.
Sua intenção era se caracterizar como uma águia mas após uma tentativa fracassada , Eric encontrou na raposa, "The Fox" o seu personagem no universo do Kiss. Aliás, a escolha do personagem ficou mesmo a cargo do linguarudo Gene Simmons, que justificou a escolha dizendo que Eric era astuto como uma raposa.

Seu primeiro show com a banda foi no New York Palladium em 25 de Julho de 1980 e em 1981 o Kiss lançou o primeiro disco com Eric nas baquetas, "Music From The Elder". Também participou da fase "sem maquiagem" da banda, com os discos "Lick It Up" (1983), "Animalize" (1984), "Asylum" (1985), "Crazy Nights" (1987), "Smashes, Thrashes & Hits", onde cantou a faixa "Beth", maior sucesso na voz de seu antecessor Peter Criss (1988) e "Hot In The Shade" (1989).

Seu último show foi no Madison Square Garden em 9 de novembro de 1990. Em abril de 1991, durante a gravação do disco "Revenge", Eric descobriu que sofria de um tipo raro de câncer no coração e foi operado no mesmo mês. Entretanto, o câncer não regrediu, tomando o coração de Eric, que entrou em coma pouco antes de morrer, em 24 de novembro de 1991.








Freddie se bacharelou em artes e ainda na faculdade, conheceu o baixista Tim Staffell, que tocava em uma banda chamada Smile, que tinha Brian May como guitarrista e Roger Taylor como baterista, e levou Freddie para participar dos ensaios.
Em abril de 1970, Tim deixou o grupo e Freddie acabou assumindo o posto de vocalista da banda que passou a se chamar Queen.

Muitos dos sucessos da banda, como "Bohemian Rhapsody", "Somebody to Love", "Love Of My Life" e "We Are the Champions" foram compostos por Freddie que se tornou a imagem da banda com suas lendárias performances ao vivo. A vontade com que Freddie dominava as multidões e os seus improvisos vocais envolvendo o publico no show, tornaram as suas turnês num enorme sucesso,tanto na década de 70 mas principalmente nos anos 80 onde encheram estádios no mundo inteiro.

Em 1991 surgiam rumores que Mercury estava com AIDS, que se confirmaram em uma declaração feita pelo próprio em 23 de novembro, um dia antes de sua morte, na noite de 24 de novembro de 1991 em sua própria casa, chamada de Garden Lodge. Os membros remanescentes dos Queen fundaram uma associação de caridade em seu nome, a "The Mercury Phoenix Trust", e organizaram em 20 de abril de 1992, no Wembley Stadium, o concerto beneficente "The Freddie Mercury Tribute Concert" para homenagear o trabalho e a vida de Freddie.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Rock In Rio - AC/DC lidera as pesquisas

O cast do próximo Rock in Rio começa a tomar forma e com o anúncio do Metallica e do Red Hot Chilli Peppers, os nomes mais fortes até o momento, já estou me arriscando a sonhar um pouquinho depois de ler uma matéria publicada pelo Globo.



É que em uma pesquisa realizada entre os leitores, perguntando "Se você pudesse escolher apenas uma banda para ver no Rock In Rio 4, qual seria?", o resultado apontou nada menos que o AC/DC. O mais interessante é que a manchete saiu assim: "AC/DC Na Cabeça. Nada de Lady Gaga: Leitores do Globo querem os clássicos e os impossíveis no Rock In Rio 4". Quem sabe Medina se arrisca nas negociações com Angus e sua trupe?

Nomes como Pearl Jam, U2, Pink Floyd e Guns 'n' Roses também figuraram na lista. Agora o mais engraçado é que alguns desavisados pediram Mamonas Assassinas, Legião Urbana, Beatles e Nirvana. Só se for através de uma sessão espírita né? Um outro leitor mais gaiato pediu uma nova apresentação de Carlinhos Brown, já que em 2001, perdeu a chance de acertar a garrafa no baiano por "três dedinhos". Aposto que muita gente tb queria uma chance dessas.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Ozzy Osbourne volta ao Brasil em 2011

O Madman vai voltar!!!! A tour de divulgação do seu último album “Scream” vai passar por 5 cidades brazucas no ano que vem, Porto Alegre (30 de março), São Paulo (2 de abril), Brasília (5 de abril), Rio de Janeiro (7 de abril) e Belo Horizonte (9 de abril). As apresentações prometem clássicos da carreira solo de Ozzy como “Crazy Train”, “Bark At The Moon” e “Mr. Crowley”, além dos clássicos do Black Sabbath como “Paranoid” e “War Pigs”. Mais uma vez estarei lá!



Anotem aí os serviços do Rio de Janeiro

Local: Citibank Hall – RJ - Av. Ayrton Senna, 3000 - Shopping Via Parque - Barra da Tijuca
Central de Vendas Tickets For Fun: 4003 0848
Única apresentação: Quinta-feira, 07 de abril de 2011
Horário: 21h30
Duração do show: aproximadamente 2h
Classificação etária: Não será permitida a entrada de menores de 12 anos; 12 anos a 15 anos: permitida a entrada (acompanhados dos pais ou responsáveis legais); a partir de 16 anos: permitida a entrada (desacompanhados).
Capacidade: 8432 pessoas
Meio de Pagamento Preferencial: Credicard
Acesso para deficientes

PREÇOS DOS INGRESSOS:
PISTA R$ 200,00 (INTEIRA) R$ 100,00 (½ ENTRADA)

Os preços dos shows de Porto Alegre, Brasília e Belo Horizonte ainda não foram divulgados, bem como o local, datas de pré-venda e venda.



http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=OZZYUMB10

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Lanterna Verde - O Filme (Trailer Oficial)


Para o deleite de nós fãs, cada vez mais filmes de super-heróis das HQs estão chegando as telonas!!! Ano que vem teremos Capitão América, Thor, X-Men First Class e o esperadíssimo Lanterna Verde.
Aliás o primeiro trailer oficial do herói esmeralda da DC Comics já está na rede e vcs podem conferir aqui.

No filme veremos como Hal Jordan (Ryan Reynolds) recebe o anel energético e se transforma em um integrante da Tropa dos Lanternas Verdes, espécie de polícia das galáxias. E já pelo trailer podemos dar uma vislumbrada em vários elementos marcantes do universo esmeralda, como OA, o planeta-sede da Tropa, diversos membros como Sinestro (Mark Strong), Tomar-Re e Kilowog, além do uniforme clássico e do Lanterna alienígena Abin Sur (Temuera Morrison), responsável por repassar o anel para Jordan.

A previsão de lançamento de Lanterna Verde é o dia 17 de junho de 2011 , com cópias em 3-D e 2-D. Agora é ficar no aguardo e na torcida por um grande filme. Potencial tem!

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Bon Jovi em Dueto com Rihanna

O Bon Jovi tocou em Madrid, na Espanha, no último dia 6 de novembro. A novidade é que a cantora Rihanna que tb estava na cidade aproveitou a ocasião pra dar uma tietada e uma canja no show. Confiram!



domingo, 14 de novembro de 2010

Pantera - Cowboys From Hell: The Demos

Dia 22 de Novembro chega as lojas (pelo menos lá fora) a Ultimate Edition do album “Cowboys From Hell” do Pantera, que está comemorando o seu 20° aniversário. Para os mais fanáticos, será lançado em vinil e em edição limitada o "Cowboys From Hell: The Demos", com capa customizada e como o nome já sugere, com as demos de "Cowboys From Hell" assim como a demo inédita de "The Will To Survive", gravada durante as sessões do álbum. Confiram mais abaixo um vídeo com o ex-vocalista do Pantera, o fanfarrão Phil Anselmo, apresentando o "Ultimate Edition" do "Cowboys".




A Ultimate Edition vai trazer os 3 discos da "Deluxe Edition" (edição de luxo), livreto de 60 páginas com fotos raras, uma camiseta de Ano Novo desenhada pelo finado Dimebag Darrell, reprodução de flyers da época, bottom "Fucking Hostile". Todas as três edições incluem uma nova versão remasterizada do álbum original, juntamente com inéditas e raras apresentações ao vivo da “Cowboys From Hell Tour”. O "Ultimate" e "Deluxe" também apresentam um disco de demos inéditas por quase todos os álbuns. É obvio que o lançamento é destinado aos fãs mais ardorosos mas eu recomendo muito o album simples, pq a intensidade e os riffs do Pantera no início dos anos 90 representaram um novo gás no mundo do metal. Faixas como "Cowboys From Hell", "Primal Concrete Sledge", "Psycho Holiday", "Cemetery Gates" e "Domination" são clássicas. Pra quem curte, agora é só guardar a grana...


Disco Um – Edições Ultimate, Deluxe e Expanded.

01. Cowboys From Hell
02. Primal Concrete Sledge
03. Psycho Holiday
04. Heresy
05. Cemetery Gates
06. Domination
07. Shattered
08. Clash With Reality
09. Medicine Man
10. Message In Blood
11. The Sleep
12. The Art Of Shredding








Disco Dois - Edições Ultimate, Deluxe e Expanded.

01. Domination (live)
02. Psycho Holiday (live)
03. The Art Of Shredding (live)
04. Cowboys From Hell (live)
05. Cemetery Gates (live)
06. Primal Concrete Sledge (live)
07. Heresy (live)
08. Domination (live, "Alive And Hostile" EP)
09. Primal Concrete Sledge (live, "Alive And Hostile" EP)
10. Cowboys From Hell (live, "Alive And Hostile" EP)
11. Heresy (live, "Alive And Hostile" EP)
12. Psycho Holiday (live, "Alive And Hostile" EP)

Disco Três – Somente edições Ultimate e Deluxe.

01. The Will To Survive (demo)
02. Shattered (demo)
03. Cowboys From Hell (demo)
04. Heresy (demo)
05. Cemetery Gates (demo)
06. Psycho Holiday (demo)
07. Medicine Man (demo)
08. Message In Blood (demo)
09. Domination (demo)
10. The Sleep (demo)
11. The Art Of Shredding (demo)



quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Bon Jovi - Keep The Faith na Maior Idade

O album "Keep The Faith" do Bon Jovi está completando 18 anos de história. Certamente eu escreveria sobre o album aqui no blog mas depois de ler uma resenha mais que completa no whiplash, seria desnecessário escrever mais alguma coisa. Então acompanhem a matéria a seguir, escrita por Erick Rabello e publicada no site whiplash.

Apesar de ainda cantarmos as canções desse álbum como se tivessem sido lançadas ontem, Keep The Faith está completando 18 anos. Muitas pessoas que estão lendo esse texto, talvez ainda nem tivessem nascido durante aquele louco início de década. Lançado em 03 de novembro de 1992, Keep The Faith veio carregado de significados para a banda. Era o 5° álbum da banda e tinha a difícil tarefa de reposicionar o Bon Jovi nos anos 90.


Não era uma tarefa fácil. Após o lançamento do álbum New Jersey, de 1988, o Bon Jovi embarcou numa turnê mostruosa que já no seu final passou pelo Brasil para duas apresentações no Festival Hollywood Rock de 1990. Empresariado por Doc McGhee, a banda quase implodiu nesse período. Apesar da banda ainda demonstrar entrosamento no palco, nos bastidores as coisa não iam bem. Após o final da turnê, cada membro seguiu seu caminho, se dedicando a projetos solos. O futuro do Bon Jovi era incerto.


Depois de uma turnê cortada pela metade, Richie Sambora e Jon Bon Jovi decidiram sentar pra decidir o futuro da banda. Essa reunião deu-se em outubro de 1991. Com tudo acertado, o chefe decidiu demitir o empresário e criar a Bon Jovi Managements para cuidar dessa nova fase. Foi criado também um selo que seria responsável pelo lançamento do álbum KTF, mas o Jambco não decolou como Jon queria.

Com tudo acertado, a banda viajou para Vancouver, no Canadá e trancafiou-se no Little Mountain Studios, sob a tutela de Bob Rock. A idéia inicial era que o Bob Rock produzisse o álbum Stranger In This Town de Richie Sambora, mas este declinou para produzir o novo álbum do Metallica, o “Black Album” (que se tornou um clássico da década de 90). Como vimos, a escolha do Bob Rock não foi errada. Ao escutar o resultado, Jon acreditava que seria Bob Rock a pessoa mais indicada para dar a cara moderna que ele queria imprimir na banda nessa nova década.


Como citado anteriormente, KTF representava uma mudança muito grande para a banda. Talvez hoje nem seja tão notável, mas na época as mudanças foram enormes em todos os sentidos. A banda estava abandonando o glam rock que os tornara famoso (note que nenhuma faixa lembra os clássicos Slippery When Wet e New Jersey). Com isso, Jon precisou diminuir seu ego e passar a ser mais companheiro dos outros membros da banda. Já não dava mais entrevista sozinho e cada um passou a ter consciência de sua importância dentro da banda. O visual da banda também estava menos carregado e mais limpo que nos anos 80 e a maturidade e a sonoridade saltavam aos ouvidos.



O maior dos desafios era vencer as mudanças que haviam ocorrido na música. O hard rock explorado à exaustão pela MTV já não dominava as paradas de sucesso. Um novo estilo (o grunge) tinha chegado com toda força reformulando o gosto musical. Bandas como U2, Guns N’Roses e Metallica tinham se tornado as mais ambiciosas do planeta. Freddie Mercury tinha morrido em 1991, deixando livre o posto da banda mais extravagante do rock.


Foi nesse contexto que KTF nasceu. Em cima das pressões internas e externas. O primeiro single foi lançado antes do álbum e trazia uma faixa totalmente nova para o contexto de tudo que a banda já tinha feito. Uma clara influência de bandas mais novas como o Live (note a linha de baixo/percussão de “Pain Lies On The Riverside” e vai saber do que estou falando).


“Keep The Faith” ainda trazia em seu lado B a canção natalina “I Wish Everyday Could Be Like Christmas”. Ambas ganharam videoclipes e foram sucessos instantâneos. No vídeo de KTF vemos Jon e Richie pelas ruas de New York, misturados ao povo principalmente no bairro do Brooklin e na Wall Street. O single atingiu o número 1 da parada rock da Bilboard.



O álbum continha oficialmente 12 faixas com clara influência de Rolling Stones e Bruce Springsteen. Atingiu o número 5 na parada Top 200 da Billboard, permanecendo entre os 200 por 49 semanas. No Reino Unido estreou em 1° Lugar, permanecendo 24 semanas entre os 20. Permanecendo nas paradas inglesas por 70 semanas. Nos EUA produziu 3 hits entre os 40+ e no Reino Unido 6 hits entre os 20+, sendo que 3 atingiram o Top 10. No Reino Unido, desbancou Glittering Prize 81/92 do Simple Minds e nos EUA desbancou Erotica de Madonna.

O segundo single foi “Bed Of Roses” que atingiu o número 13 da parada inglesa e o número 5 nas paradas americanas. Era uma balada diferente de todas que a banda já tinha feito. Orientada para o público mais adulto que gostava de megasucesso de Bryan Adams como “Everything I Do (I Do It For You)”. Para mim, contém um dos solos mais bonitos de Richie Sambora. Para o vídeo, o diretor Wayne Isham queria colocar Jon Bon Jovi no topo da montanha, mas Jon disse que já tinha feito isso em Blaze Of Glory e sugeriu que mandassem o Richie e o David Bryan. Além disso, apresentava a banda no palco num show gravado em 31 de dezembro de 1992, no Stabler Arena , em Bethlehem, Pensilvânia.



O terceiro single foi escrito pelo tecladista David Bryan, Jon e Richie. Apenas uma canção de amor, mas com pegada mais rockrer. Atingiu o número 27 da parada americana e o número 9 da parada inglesa.



O quarto single, “I’ll Sleep When I’m Dead”, foi lançado em julho de 1993 e tornou-se um dos Standards da banda durante os shows, muitas vezes dando vazão a medleys sensacionais como com “Jump Jack Flash” dos Rolling Stones e/ou “Papa Was a Rollin’ Stone” do Undisputed Truth. O vídeo brinca bastante com a idéia do filme “A Hard Day’s Night” dos Beatles, onde eles passam todo o tempo tentando sobreviver as fãs.



O quinto single foi “I Believe”, lançado em julho de 1993. Já não fez tanto sucesso, pois não conseguiu emplacar na parada americana, mas atingiu o número 11 da parada inglesa. Possui um dos melhores vídeos feito pela banda e dirigido pelo premiado diretor Nick Egan.



O sexto e último single foi “Dry County” (alterada em alguns países para Dry Country), era a menina dos olhos de Jon. Lançada já em 1994, ela era ambiciosa ao extremo, mas só atingiu o número 9 da parada inglesa, não configurou na parada americana, mas fez muito sucesso em alguns países da América Latina, inclusive no Brasil. A maior canção da banda, ela tem a duração de 9:52 e é uma das melhores vitrines para o talento de Sambora.

Mais tarde, Jon chegou a confessar que a idéia era de que ela fosse importante para a banda assim como “Child in Time” é para o Deep Purple, “Stairway to Heaven” para o Led Zeppelin, “I Want You (She’s So Heavy)” para os Beatles “The End” para o The Doors ou “November Rain” para o Guns N’ Roses. Com o tempo, ela tornou-se o maior pós-hit que a banda poderia produzir, pois é uma das mais pedidas nos shows.




Enfim, KTF conseguiu cumprir a tarefa para o qual foi concebido. Colocou o Bon Jovi de vez nos anos 90. Mostrou uma banda mais coesa, mais madura e mais consciente política e socialmente. Hoje, o Bon Jovi não tem como extrair 6 singles de um álbum, até porque o mercado fonográfico mudou bastante em quase 20 anos e não permite explorar toda a força de um álbum. KTF marcou o último trabalho do Alec na banda e ainda deu fôlego para o lançamento de These Days 3 anos depois. Os lados B’s dessa fase tinham potenciais para serem singles. Escute Fieds of Fire, Starting All Over Again e saberás do que estou falando.


Aproveite que você terminou de ler a matéria, deixe de lado o preconceito por apenas uma hora e coloque o álbum inteiro pra tocar, pois tem faixas brilhantes que jamais foram tocadas no rádio ou na MTV. E se você ainda não entende todo esse sucesso da banda durante essa turnê do The Circle, é porque você não soube o que foi manter a fé naqueles loucos anos 90.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Metallica - Confirmado no Rock in Rio 2011



Aêêê!!! A primeira atração internacional do Rock in Rio 2011 foi confirmada hoje e é, para a alegria de muitos fãs, inclusive a minha, o Metallica!!! Os californianos vão tocar na terceira noite do evento, dedicada ao metal. Além do Metallica, as bandas brasileiras Sepultura e Angra também estão escaladas para tocar na mesma noite. Muito se falou em AC/DC ou Metallica e com essa confirmação, as atrações de peso do metal devem parar por aí, com anúncios de bandas menores na sequência. De qualquer forma, já vai valer o ingresso.

Confiram abaixo a matéria que divulgou em primeira mão o show do Metallica no Jornal Hoje, da rede globo e a nota no site oficial do Metallica



Nota postada pelo Metallica em seu site oficial:

Sabemos que é bem doido anunciar um show com um ano de antecedência… certamente é algo que nunca fizemos antes! Entretanto, quando fomos convidados para sermos a atração principal do Rock in Rio original, o verdadeiro festival, no Rio de Janeiro, não poderíamos dizer não. Após tocarmos nos Rock in Rio de Lisboa e Madri anos atrás, achamos que este show será um bom intervalo para seja lá o que estivermos fazendo daqui a um ano. Então esperamos que vocês peguem um calendário do ano de 2011 e marque o dia 25 de setembro como a data que o Metallica tocará no Rio de Janeiro, Brasil.

Os ingresso começam a ser vendidos em 19 de novembro de 2010, somente através do site oficial do festival. Outros pontos de venda serão divulgados a partir de 1º de julho de 2011.

Confiram mais no G1

sábado, 6 de novembro de 2010

Slayer Live DVD 3-Pack


Todos os DVDs do catálogo do Slayer tinham sido retirados das lojas nos últimos anos mas desde 17 de agosto desse ano que “War at the Warfield” de 2003 e o “Still Reigning” de 2004 foram relançados e junto com ambos, pela primeira vez, saiu o DVD de “Live Intrusion”, de 1995, que foi digitalmente remasterizado. Todos os três DVDs estão sendo comercializados separadamente, além de uma edição limitada “Slayer Live DVD 3-Pack”, vendida somente no website da banda (www.slayer.net).

Eu recomendo todos, pq cada um representa uma fase diferente da banda. “Live Intrusion” foi gravado em março de 1995 no Mesa Amphitheatre, AZ, abrangendo a tour do Divine Intervention e conta ainda com o baterista Paul Bostaph.

Como bônus, Robb Flynn e Chris Kontos do Machine Head se juntam ao Slayer e fazem cover de “Witching Hour” do Venom. É bom lembrar que essa nova versão em DVD é, de longe, muito melhor que o original em VHS.



Já a reedição de “War at the Warfield”, gravado no Warfield Theatre em São Francisco, CA, em dezembro de 2001, marca a última gravação com o baterista Paul Bostaph, antes do retorno de Dave Lombardo à banda. “Seasons in the Abyss”, “Mandatory Suicide” e “Disciple” são algumas das preciosidades desse lançamento.

E o relançamento de “Still Reigning”, gravado no Civic Center em Augusta, ME, em julho de 2004, traz a performance do álbum “Reign in Blood” na íntegra, além da volta de Dave Lombardo as baquetas. “Still Reigning” traz também alguns bônus como “Hell Awaits", "Hallowed Point", "Necrophiliac", "Spill The Blood", and "South of Heaven".

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Camelot 3000


Finalmente a Panini Comics resolveu relançar em uma edição de luxo uma das melhores séries dos anos 80. Camelot 3000 mostra as aventuras do Rei Arthur, Merlin, Morgana Le Fay e os reencarnados Cavaleiros da Távola Redonda, travando uma batalha épica contra alienígenas. A maxi-série em quadrinhos foi publicada originalmente pela DC Comics em 1982.

Escrita por Mike W. Barr e com a arte de Brian Bolland, Camelot 3000 pode causar desconfiança à primeira vista, afinal de contas, eu sei que é mesmo estranho combinar as lendas arturianas com um mundo futurista e uma invasão alienígena. Mas qualquer desconfiança cai por terra logo nas primeiras páginas, uma vez que na trama de Camelot 3000, diversos elementos da trama original estão de volta, só que de uma forma diferente e inusitada.

Fazendo um resumo rápido da história, no ano 3000, a terra sofre uma invasão alienígena e influenciado pelo milenar mago Merlin, o jovem Tom acaba encontrando a tumba do Rei Arthur e desperta o monarca do seu sono profundo, trazendo de volta toda a távola redonda e cumprindo a profecia de que eles retornariam assim que a Inglaterra sofresse alguma ameaça. Dessa vez, a missão é na verdade, porrar os aliens e a meia-irmã de Arthur Pendragon, Morgana Le Fay.



Os Cavaleiros da Távola Redonda estão reencarnados em pessoas do mundo atual, e com a volta de Arthur Pendragon, despertam a consciência de suas antigas encarnações guerreiras, aprendendo a conciliar suas antigas vidas com as atuais condições. Arthur, Guinevere, e Lancelot são apresentados tradicionalmente como o famoso triângulo amoroso. Sir Galahad volta como um samurai. Sir Percival é um soldado monstruoso alterado geneticamente. Sir Tristão inesperadamente reencarna em uma mulher. Grande sacada dos roteiristas, criando uma forma de explorar os conceitos pré-concebidos da sexualidade, uma vez que o relacionamento de Tristão e Isolda é testado pela nova identidade do cavaleiro.

Elogiar os desenhos de Brian Bolland, magníficos e detalhados, é chover no molhado. Apesar de ter sido escrita há 20 e poucos anos atrás, o roteiro é da mais pura atualidade, com todos as intrigas e conflitos de interesses do mundo moderno. Uma obra única que merece figurar na coleção de qualquer fã de quadrinhos.


Editora: Panini
Lançamento: 2010
Nº páginas: 324
Impressão: Colorida
Formato: 17 x 26 cm
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...