quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Queensrÿche - Empire

Quando a MTV deu seus primeiros passos aqui no Brasil, um dos videos que não paravam de rolar na programação era de uma balada chamada “Silent Lucidity”, da banda Queensrÿche. Aliás, graças ao sucesso da música que é, sem sombras de dúvida, a mais famosa da banda, os caras acabaram carimbando o passaporte para se apresentar no Rock in Rio II (1991).

Pois hoje vou falar justamente sobre o album “Empire”, que é de onde saiu essa obra-prima que é “Silent Lucidity”. Aliás, ouso dizer que o album todo é uma obra-prima do heavy metal ou do Hard Rock, como preferirem. Sei que alguns fãs mais ardorosos vão contestar e apontar o album “Operation: Mindcrime” como o melhor do Queensrÿche. Não tem como discutir nesse quesito, já que ambos os trabalhos são dignos de nota máxima! Mas qual o motivo da minha escolha pelo “Empire”? É simples... o album alcançou o que o seu predecessor não conseguiu: uma indicação ao Grammy, posição #1 no Mainstream de músicas de Rock, posição #9 na Billboard Hot 100, e status de platina tripla. Suficiente?



Lançado em 20 de agosto de 1990, fora a parte gráfica que não me agrada tanto, musicalmente o quarto album do Queensrÿche é super bem produzido, com melodias, arranjos e vocais recebendo o mais fino trato no acabamento. O Queensrÿche conseguiu utilizar elementos pop, teclados e cordas, aliado a muito peso e passagens típicas de rock progressivo, tudo isso sem ficar chato.

A vigorosa “Best I Can”, abre a produção com muita energia e já dita o ritmo do que vem pela frente. Na sequência, a excelente “The Thin Line”, repleta de quebras de ritmos e estruturas complexas. “Jet City Woman” vem em seguida com um refrão que gruda fácil. Vale destacar um detalhe curioso acerca dessa faixa, já que sua letra foi inspirada na esposa do vocalista Geoff Tate, que trabalhava como aeromoça. "Della Brown" é uma das maiores faixas do play, com 7 minutos de duração, e é cheia de solos viajantes, bem ao gosto dos fãs de progressivo. A ótima balada “Another Rainy Night (Without You)” tem um dos refrões mais grudentos de todo o album, com uma levada bem no estilo hard rock.

A faixa-título é outra que conta com um refrão bem grudento aos ouvidos, além de ter um trabalho soberbo por parte de Chris DeGarmo na guitarra. A letra retrata em forma de crítica o cotidiano do capitalismo e do que as pessoas são capazes pra ganhar status e dinheiro. Na sequência, uma das minha favoritas do album, “Resistance”, com levada Hard Rock e refrão marcante. Era a música que costumava abrir os shows da banda na respectiva tour. “Silent Lucidity” já nasceu um clássico e dispensa maiores comentários. Se ainda não ouviu, ouça urgentemente!!!



Pegando a reta final, “Hand on Heart” e “One and Only”, apesar dos ótimos solos de guitarra, são as escorregadas do album, com um refrões chatinhos e muitas quebradas no ritmo. Fechando o play, a bela balada romântica “Anybody Listening?”, que também tem ótimo refrão e passeia pelas nuances de melodias, trazendo muito peso em certas passagens.

Trabalho de primeira dos músicos Chris DeGarmo (guitarra), Geoff Tate (vocal), Michael Wilton (guitarra), Eddie Jackson (baixo) e Scott Rockenfield (bateria). Vale destacar que 90% das músicas são de autoria da dupla DeGarmo e Tate, embora os demais membros também tenham contribuído na composição de arranjos e letras de algumas músicas desse sensacional album!


Esq p/ dir: Geoff Tate (vocal), Eddie Jackson (baixo), Chris DeGarmo (guitarra), Scott Rockenfield (bateria) e Michael Wilton (guitarra)

Curiosamente, depois do sucesso do “Empire”, o Queensrÿche lançou uma série de albuns fracos que acabou culminando na saída de Chris DeGarmo, um dos principais compositores da banda. E pra quem não lembra, vale recordar que o Queensrÿche veio ao Brasil em 1997, junto com Megadeth e Whitesnake. O show foi bom, curti a performance da banda, apesar de alguns clássicos antigos terem ficado de fora, em prol das novas composições (do album "New Frontier"), que não eram lá essas coisas, diga-se de passagem.







Empire

1. "Best I Can" (DeGarmo) – 5:34
2. "Thin Line" - (DeGarmo, Tate, Wilton) – 5:42
3. "Jet City Woman" (DeGarmo, Tate) – 5:22
4. "Della Brown" (DeGarmo, Rockenfield, Tate) – 7:04
5. "Another Rainy Night (Without You)" (DeGarmo, Jackson, Tate) – 4:29
6. "Empire" (Tate, Wilton) – 5:24
7. "Resistance" (Tate, Wilton) – 4:50
8. "Silent Lucidity" (DeGarmo) – 5:48
9. "Hand On Heart" (DeGarmo, Tate, Wilton) – 5:33
10. "One & Only" (DeGarmo, Wilton) – 5:54
11. "Anybody Listening?" (DeGarmo, Tate) – 7:41

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar do RODZ ONLINE. Não deixe de seguir. Sua visita e comentários mantem o blog vivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...