terça-feira, 27 de novembro de 2012

SINOPSE DE UTILIDADE PÚBLICA


SINOPSE DE UTILIDADE PÚBLICA - Amanhecer Parte 2

A personagem da Kristen Stewart, Bella, vira tipo a Xena dos vampiros (porrada + TPM permanente), que dá porrada a 3x4 até no vampiro mais bombadinho da família e o então casal de vamps se muda para um casarão no meio da floresta. Aí eu te pergunto, quem pagou por isso?????

O lobo descamisado e exibicionista se tornou o tutor da Renesmee (isso não seria nome de condicionador de cabelo?) e agora não pode mais sair de perto da garota, afinal de contas, "it's a wolf thing". Como se já não bastasse, o lobinho passa a circular livremente no meio de uma porrada de vampiros...isso é claramente incostitucional.

O bundão do vampiro galã não faz merda nenhuma o filme inteiro. Nada, nadinha. Já a vampirada do mal recebem a informação de uma X-9 que a menina com nome de condicionador é uma criança imortal, o que de acordo com a mitologia da saga é um "crime". Aceitável, considerando que nessa mitologia os vampiros perambulam no sol e ainda brilham, meu Deus!!! Obviamente a tchurminha do mal quer dar cabo da menina condicionador, uma vez que as crianças que nascem imortais se tornam o Chuck Norris dos vampiros e aí rola uma reunião básica de vampiros e lobisomens, formação de combate, bate-papo, diplomacia, vidência e no final, cada um vai pro seu lado e todos são felizes para sempre. Fim.

sábado, 24 de novembro de 2012

Kiss - Meet & Greet Experience - Rio de Janeiro 2012


Depois de 3 anos o Kiss retornou ao Rio de Janeiro, dessa vez para o último show da turnê sulamericana do album "Monster". E como fã de Kiss há aproximadamente 23 anos, meu ingresso já estava comprado desde o início das vendas, sendo que para esse show, o que me fez pirar de verdade foi a inclusão do pacote Meet & Greet Experience, que se esgotou tanto no Rio de Janeiro quanto em São Paulo.


Como se já não bastasse a angústia do momento do show, a adrenalina aumentou com a certeza de conhecer a banda cara-a-cara. Nosso anfitrião foi  um sujeito simpático chamado Dean Snowden, que encontrou os fãs que participariam do Meet em frente a Arena pontualmente às 16hs e nos explicou como seria todo o processo. Fomos devidamente identificados, colocamos as pulseiras VIPs e rumamos para o interior das dependências do HSBC Arena (local do show e do M&G), onde acessamos um salão com um pequeno palco onde já estavam montados todos os equipamentos para o set acústico que o Kiss faria pra nós.


Sem muita demora surgem Paul Stanley, Gene Simmons, Eric Singer e Tommy Thayer para total histeria dos presentes. A banda cumprimentou os fãs e já deram início ao acústico com a fantástica “Hide Your Heart”, cantada a plenos pulmões pelos VIPs. Depois de uma pequena pausa e indecisão, já que a banda não tem um set pré-definido e perguntou o que gostariamos de ouvir, como cada um gritava uma música diferente, resolveram tocar "Do You Love Me". Depois de mais indecisão se seguiram na íntegra versões de “Wall Of Sound”, “Shandi” e “Plaster Caster”. Aí a banda fez um pequeno improviso e tocou trechos de “I” do The Elder e “Spit” do Revenge. Depois de mais alguns minutos, “Tears Are Falling” e “Sure Know Something” fecharam o set.

Terminada a apresentação, aí começou a verdadeira loucura. Os caras desceram do palco e vieram até os fãs para distribuir autografos e algumas fotos. Confesso que não me recordo quanto tempo levou pra que eles atendessem todos, 30 ou 40 minutos talvez. Depois que todos foram atendidos, fomos informados que aqueles que quisessem poderiam sair pra guardar suas coisas caso estivessem de carro ou poderiam permanecer no salão, pois a banda voltaria uma hora e meia depois, já maquiada e com as fantasias, para fazer uma foto oficial com cada um. Por volta de 20hs a banda retornou, fez as fotos e já partiu para o início da apresentação, marcada para as 21hs. E assim terminava meu encontro com o KISS. O show ainda não tinha começado mas o dia já tinha se tornado inesquecível.














Para ver mais fotos curtam a minha página do Kiss no facebook: 
Kiss Por Trás da Máscara

KISS ACOUSTIC SET LIST:
Hide Your Heart
Do You Love Me
Wall Of Sound
Shandi
Plaster Caster
I
Spit
Tears Are Falling
Sure Know Something.







* 21 anos sem Eric Carr e Freddie Mercury


Há 21 anos atrás a música mundial ficou mais triste com a partida de Eric Carr, baterista do Kiss, que morreu aos 41 anos de idade, em decorrência de um câncer no coração e nos pulmões e do vocalista do Queen, o carismático Freddie Mercury, que morreu aos 45 anos de idade, em decorrência da AIDS.








quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Viper abrirá shows do KISS em SP e RJ


O Viper postou na data de hoje (14/11) em sua página oficial do Facebook que irá abrir dois shows do KISS no Brasil (São Paulo e Rio) culminando com o término da “To Live Again Tour”, que comemora os 25 anos de lançamento do album “Soldiers of Sunrise” e onde também tocam o album "Theater of Fate".


Segue press-release sobre a participação da banda nos shows do KISS.

VIPER foi convidado para abrir os shows do Kiss, uma das maiores bandas da história do rock, em São Paulo e Rio de Janeiro. O show faz parte da histórica turnê 'To Live Again Brasil 2012', em que a banda tocou na íntegra seus dois discos de estreia, 'Soldiers of Sunrise' e 'Theatre of Fate'.

O VIPER é uma das maiores lendas do rock pesado brasileiro e ficou famoso por seu sucesso no exterior - principalmente na Europa e Japão. Em 2012, a banda se reuniu com sua formação clássica - que inclui o vocalista Andre Matos - para uma única série de shows no Brasil. Foi a 'To Live Again - Brasil Tour 2012'.

Os shows foram apresentações inéditas na íntegra de dois clássicos da banda, os discos 'Soldiers of Sunrise' e 'Theatre of Fate'. A turnê teve ainda uma série de surpresas especiais para os fãs, como clássicos de outras fases da banda. A turnê brasileira do VIPER 2012 começou no dia 1 de julho, com show no Via Marquês, em São Paulo, onde foi gravado um DVD ao vivo que sairá em abril de 2013 - Live in São Paulo. A turnê passou por 25 cidades de Norte a Sul, e vai terminar no mesmo local no dia 2 de dezembro, como um agradecimento especial aos fãs paulistanos. O 'Viper - Farewell Concert' deve ser mais uma apresentação inesquecível dessa turnê. (Para ingressos, clique aqui )

A formação da banda é: Andre Matos (vocal), Pit Passarell (baixo e vocal), Felipe Machado (guitarra), Hugo Mariutti (guitarra) e Guilherme Martin (bateria). O guitarrista Yves Passarell, hoje no Capital Inicial, fez participações especiais em alguns shows.

A primeira apresentação do VIPER para divulgar a turnê comemorativa 'To Live Again' foi no programa Altas Horas, da Rede Globo, apresentado por Serginho Groisman.

1987-2012: 25 anos de rock pesado

Lançado em 1987, o disco 'Soldiers of Sunrise' foi um marco no rock brasileiro. Um dos primeiros discos lançados no Brasil a trazer uma produção com nível internacional, na época muita gente achou que o VIPER era uma banda estrangeira. Mas eram apenas cinco amigos de infância com média de idade surpreendentemente baixa: 16 anos.

A banda era formada por Andre Matos (vocal), Pit Passarell (baixo), Felipe Machado (guitarra), Yves Passarell (guitarra) e Cassio Audi (bateria). Dois anos depois, Cassio Audio foi substituído por Guilherme Martin e a banda lançou um disco ainda mais incrível: 'Theatre of Fate', produzido pelo britânico Roy Rowland, foi lançado com sucesso de crítica e público no mercado internacional e entrou imediatamente para os primeiros lugares das paradas no Japão.

Em 1991, Andre Matos deixou a banda e formou o Angra, que seguiu com incrível sucesso no Oriente. O baixista Pit Passarell assumiu os vocais do VIPER, e a banda acabou lançando uma série de discos bem sucedidos, com destaque para o hoje clássico 'Evolution', que contava com o single 'Rebel Maniac' (Everybody Everybody). Mais voltado para o mercado europeu e americano, 'Evolution' também manteve o sucesso do VIPER no Japão, onde superaram nomes como Van Halen e Nirvana nas paradas. Veio o convite para uma turnê japonesa, registrada no álbum ao vivo 'VIPER Live - Maniacs in Japan'.

Depois disso, muita coisa aconteceu: O guitarrista Yves Passarell deixou a banda para ingressar no Capital Inicial; Andre Matos formou o Shaaman e, depois, sua banda solo, Andre Matos Band; o VIPER lançou em 2007 o disco de inéditas 'All My Life'. Mas o sonho dos fãs sempre foi ver a formação clássica ao vivo, tocando os dois discos que já são considerados lendas pelos fãs de heavy metal. Para os fãs, esse sonho se tornou realidade.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Metallica - A Biografia


O livro "Metallica: A Biografia" foi lançado no início de março aqui no Brasil pela Editora Globo e foi concebido pelo jornalista de rock inglês, Mick Wall, que colaborou com a revista Kerrang e foi co-fundador da Classic Rock. Mick acompanhou a banda durante anos e foi amigo de Lars Ulrich, baterista do Metallica, o que faz com que as histórias narradas, ganhem uma visão mais pessoal, como por exemplo, a menção a suposta idéia do baixista Cliff Burton e do vocalista e guitarrista James Hetfield, de demitir Lars Ulrich, pouco antes do falecimento de Burton.

Pela capa e contracapa, já fica evidente quem dá as cartas no Metallica, e como não poderia deixar de ser, Wall detalha a vida de Lars Ulrich e James Hetfield desde a infância, até se tornarem os líderes de uma das maiores bandas de heavy metal da história. É interessante ver como Lars sempre foi obcecado por levar a banda ao topo do mundo, custe o que custasse, enquanto Hetfield demonstrava um lado totalmente introvertido, introspectivo, e mesmo assim, transformou-se em um dos maiores frontmen do metal.

O livro mostra o fanatismo de Lars pela NWOBHM e como isso ajudou a moldar o som inicial da banda e também como o Metallica sempre esteve à frente das outras bandas que faziam parte da cena thrash, como Slayer, Exodus, Anthrax e Megadeth.  Aliás, falando em Megadeth, é muito interessante ler sobre os primeiros anos da banda e sobre a entrada de Dave Mustaine, que deu um up no som do Metallica, fato esse, respeitosamente reconhecido pelo autor.

Vários momentos merecem destaque, como a expulsão de Mustaine, a morte prematura de Cliff Burton, a entrada e o 'bullying' que Jason Newsted sofria e que a maioria dos fãs provavelmente desconhecia, a conquista mundial com o "Black Album", o processo movido contra o Napster, os bastidores dos contestados "Load" e "Reload", a quase separação e o dispensável "St Anger", e a redenção com "Death Magnetic". Em pouco mais de 400 páginas, "Metallica: A Biografia" é uma excelente leitura, que esmiuça com maestria como o grupo se transformou em uma potência do heavy metal mundial. Obrigatório para os fãs da banda.

Vale mencionar que também foi lançado no Brasil o livro "Metallica All That Matters - A História Definitiva", de Paul Stenning. Depois de ler ambos, posso garantir que "Metallica: A Biografia", é mais completo, com mais detalhes. "Metallica All That Matters - A História Definitiva" está mais pra um resumo do livro de Mick Wall.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...